Publicidade

Estado de Minas

Comunidade internacional aprova relatório do IPCC sobre o clima


postado em 06/10/2018 13:30

A comunidade internacional aprovou, neste sábado (6), apesar da resistência saudita, o último balanço do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU, que mostra os fortes impactos de um aumento das temperaturas acima de 1,5º C.

A reunião a portas fechadas do IPCC, que começou na segunda-feira em Inchon (Coreia do Sul), se estendeu um dia a mais e, nas últimas horas, se concentrou em resolver a oposição de Riade, segundo vários participantes.

Em seu relatório, cujo resumo de 20 páginas foi aprovado por consenso, mas não será divulgado até segunda-feira às 3h00 GMT (0h00 de Brasília) durante uma coletiva de imprensa, os cientistas descrevem com base em 6.000 estudos a grande diferença dos impactos que um aumento temperaturas de +1,5ºC e +2ºC.

E eles listam as diferentes alternativas, que primeiro passam por uma redução maciça das emissões de gases de efeito estufa (atualmente fruto em três quartos dos combustíveis fósseis).

A Arábia Saudita, maior exportadora de petróleo do mundo, se opôs, segundo vários participantes, a um capítulo que lembra a insuficiência geral de compromissos de redução de emissões acordados em Paris para permanecer a 1,5ºC.

Antes de "finalmente levantar o bloqueio", disse um observador que pediu anonimato.

No passado, Riade muitas vezes se opôs à ação da ONU contra o aquecimento global, seja em relatórios do IPCC ou em negociações para chegar a um acordo sobre reduções de emissões.

E embora no final de 2015 o reino tenha adotado o Acordo de Paris, que visa colocar o planeta "bem abaixo de 2°C", ele se opôs ao 1,5°C solicitado pelos Estados mais vulneráveis.

"Este texto é o relatório científico mais importante sobre o tempo que tivemos", disse Jennifer Morgan, diretora do Greenpeace Internacional, no sábado.

A ONG espera que ele seja abordada a partir de terça-feira durante o conselho ambiental da UE.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade