Publicidade

Estado de Minas

Acusação de estupro contra Cristiano Ronaldo faz Juventus perder dinheiro na Bolsa

Ações do clube italiano tiveram queda superior a 5% na Bolsa de Milão


postado em 05/10/2018 07:48 / atualizado em 05/10/2018 08:11

(foto: Marco BERTORELLO / AFP)
(foto: Marco BERTORELLO / AFP)
 

As ações do clube de futebol da Juventus de Turim perdiam mais de 5% nesta sexta-feira (5) pela manhã na Bolsa de Milão, enquanto cresce o mal-estar em torno de sua estrela Cristiano Ronaldo, acusado de estupro nos Estados Unidos.


Às 11h20 locais (6h em Brasília), a ação da Juventus, que havia disparado desde a chegada a Turim do atacante português, perdia 5,07%, a 1,254 euro, em um mercado em retrocesso de 0,99%.


A Polícia de Las Vegas anunciou na segunda-feira a abertura de uma investigação por conta da ação apresentada por Kathryn Mayorga, hoje com 34 anos. Ela afirma que Cristiano Ronaldo a forçou a fazer sexo anal em junho de 2009.


O jogador negou "firmemente" as acusações, afirmando que estupro é "um crime abominável", mas seus principais patrocinadores começaram a manifestar sua preocupação - entre eles a Nike e a EA Sports (editor do videogame FIFA).


Ronaldo não disputará nenhuma partida com a seleção portuguesa nos próximos dois meses.


Nesta sexta, o treinador da Juve, Massimiliano Allegri, informou que o jogador está listado para a partida contra o Udinese no sábado.


"Cristiano está bem. No que diz respeito a amanhã, está preparado para jogar", declarou Allegri em entrevista coletiva, dando a entender que o português será titular.

 

Patrocinador preocupado

 

A marca de material esportivo Nike está "profundamente preocupada" com a acusação de estupro ao craque português, segundo comunicado enviado à AFP nesta quinta-feira.

"Estamos profundamente preocupados pelas inquietantes acusações (sobre Cristiano Ronaldo) e seguiremos monitorando a situação de perto", explicou a patrocinadora do jogador.

A Nike é uma das principais patrocinadores de Ronaldo, que tem vínculo com a empresa desde 2003. A marca esportiva renovou contrato com o atacante em 2016 e, segundo a Forbes, o transformou no terceiro jogador em sua lista vitalícia ao lado de Michael Jordan e LeBron James.


 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade