Publicidade

Estado de Minas INTERNACIONAL

Em meio a escândalos sexuais, papa abre reunião de bispos e tenta engajar jovens


postado em 03/10/2018 13:09

O papa Francisco abriu uma reunião de bispos nesta quarta-feira, 3, no Vaticano, para engajar jovens católicos, em meio a críticas pela maneira como encobriu padres que estupraram e molestaram crianças e adolescentes.

Um bispo americano sugeriu adiar ou cancelar o sínodo por achar que poderia soar mal manter uma reunião da hierarquia da Igreja Católica para tratar exatamente sobre um publico que sofreu com abusos sexuais cuja mesma hierarquia foi acusada de promover.

Um bispo holandês, indignado com o fato de o Vaticano não ter respondido às alegações de que o próprio Francisco reabilitou um cardeal americano abusador, anunciou que boicotaria a reunião. Outro bispo americano pediu ao papa que o deixasse ficar em casa para lidar com as consequências dos escândalos em sua diocese.

Apesar da nuvem escura que paira sobre o sínodo, os organizadores disseram nesta segunda-feira, 1º, que o renascimento do escândalo ainda pode dar ao Vaticano a oportunidade de mostrar que a Igreja Católica não é apenas sobre abuso sexual e encobrimentos.

"A igreja não é representada por aqueles que cometem erros. A igreja é mais importante e fundamental do que isso", disse o cardeal Lorenzo Baldisseri, organizador da reunião que ocorrerá de 3 a 28 de outubro.

O sínodo está reunindo 266 bispos dos cinco continentes para discutir como ajudar os jovens a encontrar suas vocações na vida, seja laica ou religiosa, em uma momento em que os casamentos e as vocações religiosas estão despencando no Ocidente.

É um sínodo de acompanhamento das reuniões. Francisco organizou em 2014 e 2015 a vida familiar que inspirou sua polêmica abertura para permitir que católicos divorciados e civilmente recasados recebam a comunhão. Nenhuma questão urgente está enfrentando os bispos desta vez, embora a forma como eles lidam com a homossexualidade seja o tópico mais observado.

O documento preparatório do Vaticano fez o que se acredita ser a primeira referência em um texto oficial do Vaticano a "LGBT".

Além disso, o papel das mulheres na igreja será assistido, embora nenhuma mulher tenha nenhum voto no documento final. Apenas um punhado de mulheres está participando como especialistas ou como alguns dos 34 jovens escolhidos para participar - um desequilíbrio estrutural no sínodo do Vaticano.

Conferência

Na véspera do sínodo, uma conferência paralela começou em toda a cidade, em Roma, organizada por grupos de mulheres católicas, que por muito tempo pressionaram por uma maior participação nas decisões da igreja.

Alunos da Ursuline High School em Wimbledon, Grã-Bretanha, abriram a conferência lendo a carta que escreveram para Francisco, queixando-se do preconceito que sentem como jovens mulheres na igreja.

Eles até criticaram o uso frequente de Francisco do termo "gênio feminino" para descrever as qualidades que ele diz serem tão necessárias para a igreja hoje.

"Inicialmente, 'gênio feminino' soou elogioso, mas nos perguntamos o que isso realmente significa", escreveram as meninas. "Nós pensamos nas qualidades a que se refere que são supostamente inerentes à feminilidade, tais como cuidado, carinho e receptividade. Acreditamos que a maternidade é realmente importante, mas por uma série de razões. Focalizar apenas isso não está relacionado às nossas ambições como mulheres."

O documento de trabalho do sínodo diz que os jovens em muitas partes secularizadas do mundo simplesmente não querem nada com a Igreja Católica, porque eles acham que não só é irrelevante para as suas vidas, mas francamente irritante.

"Esse pedido não deriva de desprezo não crítico ou impulsivo, mas está profundamente enraizado em razões sérias e respeitáveis: escândalos sexuais e econômicos", pelos quais eles exigem que a igreja aplique uma política de tolerância zero.

Escândalo sexual

Ao mesmo tempo, no entanto, o próprio Vaticano alimentou o mais recente escândalo, recusando-se a responder às alegações de um embaixador aposentado, o arcebispo Carlo Maria Vigano, que Francisco e uma longa lista de autoridades do Vaticano antes dele se esconderam do ex-cardeal Theodore McCarrick, ex-arcebispo de Washington.

O papa Francisco removeu McCarrick como cardeal em julho deste ano, após uma investigação da Igreja americana determinar que uma alegação de que ele acariciou um coroinha adolescente na década de 1970 era crível.

Mas aparentemente era de conhecimento comum no Vaticano e na Igreja dos Estados Unidos que McCarrick pressionou os seminaristas a irem para a cama com ele.

O ponto positivo da reunião é que, pela primeira vez, dois bispos da China continental estão participando de um sínodo, o primeiro resultado tangível do acordo do mês passado entre o Vaticano e Pequim sobre as nomeações do bispo. Fonte: Associated Press.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade