Publicidade

Estado de Minas

Maduro busca acordos com a "irmã mais velha" China


postado em 14/09/2018 05:54

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chamou a China de "irmã mais velha" antes de sua reunião com o presidente chinês Xi Jinping nesta sexta-feira, na qual espera concluir acordos econômicos para seu país, que enfrenta uma profunda crise.

Maduro afirmou ao desembarcar em Pequim que tinha "grandes expectativas" de aprofundar os laços estratégicos com um dos principais credores da Venezuela.

O presidente venezuelano disse que a visita daria um "grande impulso" aos investimentos no setor de energia, ao comércio e à "relação financeira de sucesso" entre os dois países.

A China emprestou na última década quase 50 bilhões de dólares ao país com as maiores reservas de petróleo do mundo, que a Venezuela paga com o envio de combustível. Mas Caracas ainda deve US$ 20 bilhões a Pequim.

Maduro pode voltar para casa com outro empréstimo de 5 bilhões de dólares e uma prorrogação de seis meses do período de carência para o pagamento da dívida, de acordo com a empresa de consultoria venezuelana Ecoanalitica.

"A China é nossa irmã mais velha. Ficarei muito feliz ao me reunir com nosso irmão Xi Jinping", disse Maduro, que retorna ao gigante asiático após uma visita em março de 2017.

O presidente venezuelano permanecerá na China até domingo.

"O governo venezuelano implementou recentemente reformas econômicas e financeiras com uma boa resposta social", declarou na quinta-feira o porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Geng Shuang.

"Acreditamos que um desenvolvimento estável da Venezuela beneficia todas as partes", completou.

A viagem a China é a primeira de Maduro ao exterior desde a suposta tentativa de assassinato da qual disse ter sido vítima em 4 de agosto, durante um desfile militar em Caracas.

A vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, chegou a Pequim antes de Maduro e se reuniu com executivos do Banco de Desenvolvimento da China e da Corporação de Petróleo da China (CNPC).

A produção de petróleo da Venezuela caiu em agosto a 1.448.000 barris diários (mbd), informou a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). Este foi o menor resultado em três décadas, descartando a queda registrada por uma greve no setor entre dezembro de 2002 e fevereiro de 2003.

Diante da grave crise que abala o país, com uma severa escassez de alimentos e remédios, além de uma hiperinflação que segundo o FMI pode superar 1.000.000% este ano, Maduro anunciou no mês passado um questionado plano de reformas econômicas.

Entre as diversas medidas estão um aumento salarial de 3.400%, uma desvalorização de 96% do bolívar - a moeda local - e aumento de impostos.

A crise provocou a fuga de centenas de milhares de venezuelanos, em sua maioria para outros países da América Latina.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade