Publicidade

Estado de Minas

Presidente eleito do México se aproxima de vítimas para pacificar país


postado em 07/08/2018 22:00

Entre gritos de dor de familiares de desaparecidos, o presidente eleito do México, Andrés Manuel López Obrador, inaugurou nesta terça-feira (7) na conturbada Ciudad Juárez uma série de fóruns e consultas com vítimas da violência para buscar caminhos de "pacificação" do país.

"Quero justiça para a minha filha!" e "Apresentação com vida (de desaparecidos) e castigo aos culpados!" - foram algumas das frases que ressoaram no auditório da Universidade Autônomo de Ciudad Juárez.

"Sei que aqui há sede de justiça (...) Diariamente estão sendo assassinados, perdem a vida 80 mexicanos", enfatizou em seu discurso López Obrador, que assumirá o cargo em 1º de dezembro.

O objetivo dos cerca de 20 fóruns que vão terminar em 24 de outubro na capital é "ilustrar o panorama da vitimização por região e por tipo de crime" para identificar indicadores dos mesmos, expõe um documento elaborado pela futura equipe de segurança de López Obrador.

A ideia é elaborar "entre todos o plano que garanta a paz e a tranquilidade no país", disse o futuro chefe de Estado, enquanto alguns presentes repetiam gritos e palavras de ordem sem parar.

"Se nós temos a possibilidade de colaborar um pouquinho para que uma família não sofra o que estamos sofrendo, vamos fazer com fóruns ou sem fóruns", disse à AFP José Luis Castillo, pai de Esmeralda, jovem desaparecida em 2009.

Coberto com um poncho estampado no peito e nas costas com o rosto de sua filha com a frase "não me esqueçam, falto eu", Castillo subiu no púlpito para fazer sua reivindicação de justiça ao presidente eleito.

Para López Obrador, a corrupção é o principal problema do país e suas consequências mais graves são a desigualdade, a pobreza e a violência. Esta última se agravou desde que no fim de 2006 o governo iniciou uma polêmica ofensiva militar contra o crime organizado.

Desde então, mais de 200 mil pessoas foram assassinadas no México, segundo cifras oficiais que não mencionam quantas correspondem ao combate à criminalidade.

Entre as propostas que López Obrador antecipou contra a violência está a ideia de retirar gradualmente os militares das ruas, depurar as corporações policiais e debater a legalização da maconha e da papoula.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade