Publicidade

Estado de Minas

Procurador-geral diz que perseguirá quem conspirar contra Maduro


postado em 06/08/2018 15:48

O procurador-geral da Venezuela, Tarek William Saab, alertou nesta segunda-feira que perseguirá todos que "conspirarem contra a paz" em função do suposto atentado que o presidente Nicolás Maduro disse ter sofrido através de dois drones carregados de explosivos.

"A Procuradoria vai perseguir dentro da lei quem conspirar contra a paz cidadã (...). Que este fato sirva para extirpar de uma vez por todas qualquer tentativa de violenta de atentar contra a paz", alertou, falando à imprensa.

O funcionário classificou de "tentativa de magnicídio" e de "tentativa de massacre" a explosão de um drone carregado com explosivo C4 frente ao palanque em que Maduro e o alto comando militar encabeçavam no sábado um ato em comemoração aos 81 anos da Guarda Nacional.

O presidente saiu ileso, mas sete militares ficaram feridos.

O procurador confirmou que dois homens foram detidos em flagrante enquanto operavam o segundo drone de dentro de um carro perto da parada militar, no centro de Caracas.

No domingo, o governo informou que seis pessoas haviam sido detidas.

O segundo artefato explodiu depois de chocar-se com um prédio nos arredores.

"Foram identificados todos os autores materiais do fato e seus colaboradores", destacou Saab.

Também afirmou que foram estabelecidas as primeiras "conexões internacionales ".

O procurador havia antecipado que nesta segunda-feira divulgaria os nomes dos detidos, mas aparentemente ele os manterá em sigilo.

"Tentaram amedrontar as autoridades do Estado venezuelano, mas o que conseguiram foi fortalecer a unidade dos poderes públicos. Não vamos permitir que a Venezuela mergulhe numa espiral de violência", concluiu.

Um relatório policial ao qual teve acesso a AFP identificaria um dos homens como César Saavedra, que foi preso perto de um prédio residencial onde explodiu o segundo artefato.

Maduro, que declarou na véspera estar preparando uma resposta dura à tentativa de assassinato, tem previsot aparecer em público nesta segunda-feira para receber a manifestação de partidários ante o palácio presidencial de Miraflores.

Ele afirmou que os "financiadores do plano estão nos Estados Unidos e que a ordem de atacá-lo veio de Bogotá".

Maduro atacou diretamente o colega colombiano Juan Manuel Santos, que considerou nesta segunda-feira a acusação algo "insólito".

Na véspera de entregar o poder para seu sucessor, Iván Duque, Santos afirmou que, de "todas as loucuras de acusações que fizeram a ele, a de Maduro é a mais insólita".

"Que estou com a inteligência americana, com a direita venezuelana, armando complôs para assassinar presidente da Venezuela. Por Deus!", exclamou Santos durante um fórum em Bogotá.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade