Publicidade

Estado de Minas

Rússia repatria corpos de jornalistas assassinados na Rep. Centro-Africana


postado em 05/08/2018 09:00

Os corpos dos três jornalistas russos assassinados na segunda-feira na República Centro-Africana quando investigavam as atividades do grupo paramilitar russo Wagner foram repatriados neste domingo a Moscou.

Os corpos de Kiril Rádchenko, Alexandr Rastorgúev e Orján Dzhemal passarão por exames, para "determinar as causas das mortes dos três", informou em um comunicado a Procuradoria da Rússia.

"O trabalho continua para esclarecer as circunstâncias do crime. Atualmente estamos ouvindo as pessoas que poderiam ter informações a respeito da investigação", completou o Ministério Público.

De acordo com a agência russa de notícias Interfax, os três corpos chegaram ao aeroporto de Moscou neste domingo em um voo da Air France.

A justiça centro-africana, as autoridades federais russas e a missão da ONU na República Centro-Africana iniciaram uma investigação sobre as circunstâncias das mortes do correspondente de guerra Orján Dzhemal, do documentarista Alexandr Rastorgúev e do cinegrafista Kiril Rádchenko.

Um deles teria falecido no ato e os outros dois não resistiram aos ferimentos, segundo o porta-voz do governo centro-africano, Ange Maxime Kazagui.

O porta-voz declarou à AFP que um dos jornalistas se opôs com violência aos homens armados que queriam roubar o equipamento do grupo.

Os detalhes foram revelados pelo motorista do veículo, que ficou ferido, também de acordo com o porta-voz.

Os três jornalistas eram colaboradores do Centro de Gestão de Investigações, um projeto criado pelo magnata e opositor russo no exílio Mikhail Khodorkovski.

Os três repórteres "voaram no dia 27 de julho à República Centro-Africana para filmar imagens das atividades da empresa militar privada Wagner no país", explicou o projeto no Facebook.

O grupo Wagner foi criado por um ex-oficial do GRU (serviço de inteligência militar russo), Dmitri Utkin.

As empresas militares privadas são proibidas na Rússia. O grupo Wagner está envolvido desde junho de 2014 nos combates do leste da Ucrânia com os separatistas pró-Moscou, de acordo com a imprensa e o serviço de inteligência ucraniano.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade