Publicidade

Estado de Minas

Erdogan pede congelamento de bens na Turquia de "ministros" americanos


postado em 04/08/2018 12:18

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan pediu neste sábado o congelamento dos bens na Turquia dos ministros americanos da Justiça e do Interior, uma resposta a sanções similares de Washington pela detenção de um pastor americano.

Ao mesmo tempo, Erdogan deu a entender que deseja conter a escalada de tensão entre os dois países, aliados na Otan, no momento em que a economia turca sofre e poderia ser ainda mais afetada no caso de mais sanções econômicas.

"Até ontem à noite permanecemos pacientes. Hoje dou a ordem: congelaremos os ativos na Turquia dos ministros americanos da Justiça e do Interior, se eles tiverem algum", declarou Erdogan em um discurso em Ancara exibido pela televisão.

A declaração é uma resposta à decisão de Washington de adotar sanções, na quarta-feira, contra os ministros turcos do Interior, Suleyman Soylu, e da Justiça, Abdulhamit Gul.

Os dois estão na mira de Washington por seu suposto papel no julgamento de Andrew Brunson, um pastor americano acusado na Turquia de atividades "terroristas" e espionagem.

Brunson, que nega as acusações, foi colocado em prisão domiciliar na semana passada, depois de passar um ano e meio na penitenciária.

Erdogan, no entanto, não especificou os nomes dos integrantes da administração americana que seriam afetados.

O procurador-geral americano é Jeff Sessions. O governo dos Estados Unidos não possui um ministério do Interior similar ao da Turquia: o secretário do Interior é Ryan Zinke, responsável pela administração dos parques nacionais, enquanto Kirstjen Nielsen comanda o Departamento de Segurança Interna.

As sanções de Washington congelam qualquer propriedade ou ativo dos ministros turcos em território americano e proíbem que os cidadãos americanos façam negócios com eles.

Mas os dois ministros turcos afetados afirmam que não possuem nenhuma propriedade nos Estados Unidos. Tampouco é provável que os secretários americanos mencionados por Erdogan tenham bens na Turquia. Desta maneira, as sanções seriam simbólicas.

Apesar disso, as sanções podem ter um impacto na economia turca, abalada por uma forte inflação e uma moeda desvalorizada.

Erdogan, no entanto, parecia querer evitar uma situação ainda mais tensa.

"Não queremos ser parte de um jogo perde-perde. Levar uma disputa política e judicial ao campo econômico prejudica os dois países", completou.

O presidente Donald Trump, seu vice-presidente Mike Pence e o secretário de Estado Mike Pompeo transformaram a libertação do pastor Andrew Brunson em uma prioridade e aumentaram o tom do discurso desde que ele foi colocado em prisão domiciliar.

As autoridades turcas acusam Brunson de atuar a favor da dede do pregador muçulmano Fethullah Gülen, que vive exilado nos Estados Unidos desde 1999, e do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

As duas organizações são consideradas "terroristas" por Ancara.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade