Publicidade

Estado de Minas

Tufões obrigam francês a interromper travessia do Pacífico a nado

Benoît Lecomte se preparou durante sete anos para a aventura inédita, com o objetivo de denunciar a poluição dos oceanos


postado em 02/08/2018 06:00 / atualizado em 02/08/2018 10:07

(foto: Martin BUREAU / AFP)
(foto: Martin BUREAU / AFP)

O arquiteto francês Benoît Lecomte, que iniciou a primeira travessia do Pacífico a nado para alertar sobre a poluição dos oceanos com o plástico, teve que renunciar temporariamente a seu desafio em consequência das tempestades.


Desde o início da missão em uma pequena praia do leste do Japão em 5 de junho, Lecomte nadava oito horas por dia, escoltado por um veleiro.


"Dois tufões, Jongdari e Wukong, interromperam seu avanço e obrigaram o barco a retornar ao Japão", informou o site Seeker, que acompanha a expedição.


Lecomte, que mora há mais de 25 anos nos Estados Unidos, se preparou física e mentalmente para o desafio durante sete anos, período em que deixou de lado sua atividade profissional.


Ele pretendia alcançar o destino, San Francisco, a quase 9.000 km do Japão, em um prazo de seis a oito meses.


Apesar do contratempo, o francês de 51 anos afirmou que está "mais determinado do que nunca para continuar com sua histórica travessía transpacífica", indicouio Seeker, que não anunciou uma data para uma nova tentativa.


O francês já havia percorrido 800 km quando um temporal forçou a sua parada.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade