Publicidade

Estado de Minas

Ao menos três mortos em confrontos em protestos na Nicarágua


postado em 09/06/2018 20:42

Ao menos três pessoas morreram em novos confrontos entre manifestantes e forças antimotim nos protestos contra o governo da Nicarágua, enquanto aumentavam os bloqueios nas estradas em quase todo os país.

Os choques ocorreram neste sábado em Masaya, 30 km ao sul da capital, onde um homem de 60 anos morreu ao ser atingido por "uma bala de franco-atirador", disse a um meio local o representante da Associação Nicaraguense Pró-Direitos Humanos (CPDH), Alvaro Leiva.

"A situação em Masaya é de crise, é um SOS de direitos humanos que estamos" fazendo, disse Leiva.

"Por toda a cidade se ouviam explosões e rajadas de armas de fogo", disse um líder do Movimento Estudantil 19 de Abril da cidade, Yubrank Suazo.

O Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (Cenidh) contabilizava até este sábado 137 pessoas falecidas desde o início dos protestos, em 18 de abril, sem incluir ainda uma das vítimas em Masaya.

O relatório do Cenidh inclui dois jovens mortos na noite de sexta-feira, um na cidade de Jinotega e outro em Manágua.

Em Jinotega, na noite de sexta-feira desconhecidos comandaram um ataque armado contra manifestantes que estavam fazendo a segurança de uma barricada sobre uma via, causando a morte de um jovem e vários feridos.

Segundo um comunicado divulgado nas redes pelo Movimento Estudantil 19 de Abril de Jinotega, "paramilitares afins ao governo crivaram jovens que estavam nas ruas lutando pela liberdade e democracia".

Foi "uma noite de terror", denunciou o grupo estudantil de Jinotega, onde os confrontos continuavam neste sábado.

Em Manágua, um jovem motociclista foi perseguido e assassinado também na noite de sexta-feira com um disparo na nunca por homens armados em duas motocicletas, segundo relatos da imprensa e nas redes sociais.

Neste sábado, a maioria das estradas do país continuavam bloqueadas pelos manifestantes com mais de 125 barricadas, no âmbito dos protestos que exigem a renúncia do governo do presidente Daniel Ortega, um ex-guerrilheiro que está no poder desde 2007.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade