Publicidade

Estado de Minas

Justiça equatoriana confirma condenação a ex-vice por caso Odebrecht


postado em 08/06/2018 21:24

A Justiça do Equador ratificou nesta sexta-feira (8) a condenação a seis anos de prisão contra el ex-vice-presidente Jorge Glas por receber subornos por 13,5 milhões de dólares da empresa construtora Odebrecht.

Um tribunal da suprema Corte Nacional de Justiça (CNJ) rejeitou um recurso apresentado por Glas à condenação feita em 13 de dezembro do ano passado pelo delito de associação ilícita dentro do caso Odebrecht.

"O Tribunal da @CorteNacional nega recurso de apelação e confirma sentença ditada no caso Jorge G. e outros por delito de associação ilícita", informou a CNJ em sua conta no Twitter.

O advogado de Glas, Eduardo Franco, confirmou a resolução na mesma rede social.

"O Tribunal de Apelação continuou com a injustiça contra @JorgeGlas. Ratificaram arbitrária sentença! A luta continua e hoje com mais força! Um inocente não deve estar preso!", disse o advogado.

Embora a justiça tenha condenado o ex-vice-presidente na segunda instância, a pena ainda não pode ser executada porque Glas ainda pode recorrer a outras instâncias para tentar anular a sentença.

"Vamos às cortes internacionais", disse Glas à imprensa após a decisão judicial.

Pouco antes da audiência para resolver a apelação, Glas reafirmou que é um "perseguido político" e que está detido "sem prova alguma" e que sua condenação é ilegal.

Aos 48 anos, Glas foi julgado por receber subornos da Odebrecht por 13,5 milhões de dólares através de um tio, que enfrenta a mesma sentença.

Na prisão desde outubro, Glas perdeu em janeiro o cargo de vice-presidente do Equador - que ocupava desde 2013 - diante da "falta definitiva" (por mais de três meses) no exercício do posto, segundo a Constituição.

Glas foi reeleito em 2017 na chapa do presidente Lenín Moreno.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade