Publicidade

Estado de Minas

Robô da Nasa encontra novos blocos de construção da vida em Marte


postado em 07/06/2018 18:00

Um robô da Nasa detectou mais blocos de construção da vida em Marte - a matéria orgânica mais complexa até hoje - a partir de rochas de 3,5 bilhões de anos na superfície do Planeta Vermelho, disseram cientistas nesta quinta-feira (7).

O rover Curiosity não tripulado também encontrou evidências crescentes de variações sazonais de metano em Marte, indicando que a fonte do gás é provavelmente o próprio planeta, ou possivelmente sua água subterrânea.

Embora não sejam evidências diretas de vida, os componentes da cratera Gale de Marte são o conjunto mais diversificado já retirado da superfície do planeta desde que o veículo robótico aterrissou em 2012, dizem especialistas.

"Este é um avanço importante porque significa que há materiais orgânicos preservados em alguns dos ambientes mais severos de Marte", disse a autora principal de um dos dois estudos publicados na revista Science, Jennifer Eigenbrode, astrobióloga do Goddard Spaceflight Center da Nasa.

"E talvez possamos encontrar algo mais bem preservado do que isso, que tenha assinaturas de vida", disse à AFP.

O rover Curiosity da Nasa já havia encontrado matéria orgânica em Marte. Uma descoberta menor foi anunciada em 2014.

"Esta é a primeira detecção realmente confiável", disse à AFP o coautor Sanjeev Gupta, professor de ciências da Terra no Imperial College London.

"O que este novo estudo está mostrando com alguns detalhes é a descoberta de compostos orgânicos complexos e diversos nos sedimentos. Isso não significa vida, mas compostos orgânicos são os blocos de construção da vida", acrescentou.

"Esta é a primeira vez que detectamos um conjunto tão diversificado desse tipo de coisa".

- Pista para "algo maior" -

Os compostos podem ter vindo de um meteorito, ou de formações geológicas parecidas com o carvão e o xisto negro na Terra, ou alguma forma de vida, disse Eigenbrode.

Sua fonte precisa ainda é um mistério.

"Detectamos os fragmentos de algo maior", disse Eigenbrode.

As amostras foram perfuradas a partir da base do Monte Sharp, dentro de uma bacia chamada Gale Crater, que acredita-se ter abrigado um antigo lago marciano.

"Esse é um bom lugar para a vida ter vivido, se alguma vez existiu em Marte", disse.

A rocha de argilito foi perfurada a partir dos cinco centímetros superiores da superfície marciana e aquecida num laboratório de análise em miniatura localizado a bordo do rover.

Um instrumento construído na França revelou "várias moléculas orgânicas e voláteis que lembram rochas sedimentares ricas em elementos orgânicos encontradas na Terra, incluindo: tiofeno, 2- e 3-metiltiofenos, metanotiol e dimetilsulfureto", disse o estudo da Science.

- Estudo do metano -

O outro artigo na Science relatou novos detalhes na busca pela fonte de metano em Marte, que tem picos e quedas de acordo com as estações do ano.

O metano, a molécula orgânica mais simples, varia entre "0,24 a 0,65 partes por bilhão, com um pico próximo ao final do verão no hemisfério norte", disse o estudo, com base em três anos de dados.

A fonte ainda não está clara, mas pode estar armazenada no subsolo frio marciano em cristais à base de água chamados clatratos, disseram os pesquisadores.

"Ambas as descobertas são avanços em astrobiologia", escreveu Inge Loes ten Kate, da Universidade de Tübingen, na Alemanha, em um comentário na revista Science.

"A detecção de moléculas orgânicas e metano em Marte tem implicações de longo alcance em vista da potencial vida passada em Marte", disse.

"O Curiosity mostrou que a cratera Gale era habitável há cerca de 3,5 bilhões de anos, com condições comparáveis às da Terra primitiva, onde a vida evoluiu naquela época", acrescentou.

"A questão de se a vida pode ter se originado ou existido em Marte é muito mais oportuna agora que sabemos que moléculas orgânicas estavam presentes em sua superfície naquela época", concluiu.

- Próximas missões -

De acordo com Ariel Anbar, professor da Universidade do Estado do Arizona que dirigiu o programa de astrobiologia da faculdade financiado pela Nasa de 2009 a 2015, o trabalho "definitivamente move a bola pela quadra de maneiras importantes".

Ele "define como as perguntas serão feitas e perseguidas na próxima etapa da exploração de Marte", disse Anbar, que não esteve envolvido no estudo, à AFP por e-mail.

Os cientistas esperam promover a busca por sinais de vida em Marte com o rover europeu e russo ExoMars, programado para aterrissar em 2021.

Este vai perfurar ainda mais fundo do que qualquer instrumento anterior, até dois metros de profundidade.

A Nasa também tem outro rover em andamento com sua missão Mars 2020, que planeja perfurar núcleos e separá-los para uma possível futura captura e retorno à Terra.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade