Publicidade

Estado de Minas

Pena capital para homem que torturou menino de oito anos até a morte nos EUA


postado em 07/06/2018 17:12

Um juiz de Los Angeles sentenciou à morte, nesta quinta-feira (7), um homem que torturou o filho de oito anos de sua namorada, a quem espancavam, deixavam passar fome e forçavam a dormir em um armário, até que ele faleceu em 2013.

A mãe do menino, Pearl Sinthia Fernández, de 34 anos, foi sentenciada à prisão perpétua por sua participação na morte da criança, que se chamava Gabriel.

Em sua sentença, o juiz do Tribunal Superior de Los Angeles, George Lomeli, descreveu as ações de Fernández e de seu namorado, Isauro Aguirre (37 anos), de "nada menos que maldade".

O casal foi preso em 2013 depois que os paramédicos responderam a uma chamada de emergência para sua casa e encontraram Gabriel inconsciente e com fraturas no crânio e nas costelas, assim como balas de armas de ar comprimido alojadas em sua virilha.

Morreu dois dias depois de terem retirado o suporte vital.

A Promotoria revelou em um julgamento no ano passado que Aguirre gostava de torturar a criança porque achava que era homossexual. O forçava a comer fezes de gato e a dormir em um pequeno closet, preso e com uma mordaça.

Aguirre foi considerado culpado por homicídio qualificado em dezembro e o júri recomendou que fosse sentenciado à morte.

Como parte de um acordo com a Promotoria, a mãe, que participou do abuso, se declarou culpada de homicídio qualificado em troca da prisão perpétua sem possibilidade de liberdade condicional.

O caso gerou uma profunda reforma no sistema de bem-estar infantil em Los Angeles e fez com que fossem apresentadas acusações criminais sem precedentes contra vários funcionários sociais que deixaram Gabriel sob o cuidado de sua mãe apesar de muitas investigações por abuso.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade