Publicidade

Estado de Minas

Equatoriano entrega pizza em NY e é detido para ser deportado


postado em 06/06/2018 19:36

Um equatoriano que chegou a uma base militar do Brooklyn, em Nova York, para entregar uma pizza foi detido e entregue à Polícia Migratória para ser deportado porque não tinha documentos.

Pablo Villavicencio tem 32 anos, sua esposa e suas filhas são americanas e já havia feito várias entregas de pizza na base, localizada no extremo sul do Brooklyn, segundo vários meios de comunicação locais.

Até agora havia cruzado a segurança mostrando a carteira de identidade da cidade de Nova York, que é outorgada a todos os moradores, sem importar seu status migratório.

Mas nesta nova entrega, na sexta-feira passada, pediram que assinasse um documento que autorizava, entre outras coisas, a verificação de seus antecedentes.

A base de dados mostrou que este pai de duas meninas de dois e três anos residia sem documentos desde 2010 nos Estados Unidos, embora um juiz migratório tenha lhe pedido para deixar o país em julho daquele ano.

A equipe da base o prendeu e entregou à Polícia Migratória (ICE), confirmou à AFP uma porta-voz do ICE em Nova York, que explicou que ele está em vias de ser deportado.

Villavicencio já havia iniciado os trâmites para obter o "green card", ou permissão de residência, e trabalho permanente, segundo a imprensa local.

Por conta do endurecimento da política migratória durante o governo de Donald Trump, o ICE aumentou suas batidas em busca de imigrantes em situação ilegal.

Ao invés de dar prioridades aos que têm antecedentes criminais, ou que cometeram crimes graves, como ocorreu durante o mandato de Barack Obama, o objetivo agora é deportar qualquer pessoa que careça de documentos, mesmo que isso implique separar de sua família.

Inclusive, os agentes do ICE aumentaram de maneira significativa as prisões em tribunais, até agora considerados santuários, assim como escolas, hospitais e igrejas.

Para Justin Brannan, vereador da circunscrição onde fica a base militar, a prisão de Pablo Villavicencio mostra uma mudança de posição das Forças Armadas com os imigrantes em situação ilegal.

"Isso é parte da nova estratégia de deportação de Donald Trump? (...) Isso é absolutamente ridículo. Estamos destruindo famílias, e para que?", perguntou Brannan a jornalistas.

"Me digam como isso é os Estados Unidos", tuitou o presidente do distrito do Brooklyn, Eric Adams, após participar com Brannan em um protesto nesta tarde em frente à base militar. Também estavam a esposa de Villavicencio e suas filhas, que levavam bonecas.

"Me digam como tirar Pablo das ruas torna nossa nação mais segura", desafiou Adams.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade