Publicidade

Estado de Minas

Coreia do Norte semeia dúvidas sobre cúpula com Trump


postado em 15/05/2018 20:36

A Coreia do Norte colocou em dúvida a histórica cúpula entre seu líder, Kim Jong Un, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prevista para 12 de junho, por causa das manobras militares conjuntas de Washington e Seul.

Conversas de alto nível que estavam previstas entre enviados de Pyongyang e Seul na quarta-feira também foram suspensas devido a esses exercícios, informou a agência sul-coreana Yonhap.

"Há um limite da boa vontade que podemos mostrar", advertiu a agência oficial norte-coreana KCNA.

As manobras das forças aéreas americana e sul-coreana são um teste de invasão e provocação em um momento em que as relações intercoreanas estão melhorando, advertiu a KCNA.

Washington "terá que pensar cuidadosamente sobre a realização desta cúpula Estados Unidos-Coreia do Norte depois desta provocante confusão militar", explicou a KCNA.

O exercício aéreo "Max Thunder", que começou em 11 de maio, está programado para durar duas semanas. As manobras envolverão 100 aviões dos dois países, incluindo os caças furtivos americanos F-22 "Raptor", a fera negra para a Coreia do Norte que teme ataques "cirúrgicos".

Pouco tempo depois, o governo dos Estados Unidos anunciou que mantinha os preparativos para a cúpula entre Trump e Kim, apesar da ameaça da Coreia do Norte de cancelar a reunião.

"Continuamos avançando" para a cúpula de 12 de junho, disse Heather Nauert, porta-voz do Departamento de Estado, que acrescentou que Washington não recebeu nenhuma "notificação" da advertência norte-coreana reportada pouco antes pela agência sul-coreana Yonhap.

"Não ouvimos nada desse governo ou do governo da Coreia do Sul para indicar que não deveríamos continuar com esses exercícios militares, ou que não deveríamos continuar preparando a reunião", disse Nauert nesta terça.

Inclusive, acrescentou, os negociadores americanos tinham elementos para assumir que Kim "entende e aprecia a importância" das ações militares conjuntas que são realizadas na Coreia do Sul.

Essas operações, informou o Pentágono, se propõem a melhorar a capacidade da aliança EUA-Coreia do Sul de defender essa parte da península coreana.

"Embora não tenhamos discutido detalhes específicos, a natureza defensiva desses exercícios tem sido clara há décadas e não mudou", informou o Pentágono em nota.

A cúpula entre Kim e Trump tem como tema central a questão dos programas nuclear e balístico da Coreia do Norte.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade