Publicidade

Estado de Minas

Uber muda tratamento de casos de assédio sexual em carros do aplicativo

Empresa espera que nova estratégia incentive passageiros a denunciar os casos com mais frequência e ajude a recuperar a imagem do aplicativo


postado em 15/05/2018 12:21

(foto: Pexels)
(foto: Pexels)

A Uber anunciou nesta terça-feira (15-05) que irá dar mais liberdade a usuários para prosseguir com processos na Justiça que envolvam denúncias de assédio sexual em veículos da empresa. Até agora, o aplicativo de transporte só negociava acordos fora dos tribunais.

 

A informação é do jornal londrino The Guardian e do canal de TV CBS.

 

A flexibilização da Uber por enquanto vale apenas para passageiros nos Estados Unidos e atinge também o acordo de confidencialidade, que fica banido. As vítimas de assédio passam a ter controle sobre suas ocorrências, podendo decidir sozinhas se querem ou não revelar os fatos à opinião pública.

 

A estratégia da Uber, implantada pelo presidente-executivo da Uber, Dara Khosrowshahi, é parte da tentativa de, daqui em diante, “fazer a coisa certa” (“do the right thing’), como informa o diário.

 

Nesse sentido, a empresa já havia anunciado, recentemente, que vai passar a fazer checagem anual da ficha criminal dos motoristas cadastrados e instalar no aplicativo um botão de emergência, medidas para tranqüilizar os passageiros.

 

Quando assumiu o cargo, em agosto do ano passado, Khosrowshahi encontrou a Uber afundada em altos índices de denúncias de assédio sexual  por parte dos motoristas e tentativas de encobrir violação de dados e até roubo de segredos comerciais.

 

A Uber pretende ainda denunciar publicamente incidentes de má conduta sexual, com a expectativa de que isso possa deixar mais transparente o problema na indústria do transporte por táxis e aplicativos.

 

-->

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade