Publicidade

Estado de Minas

Irã: dirigentes israelenses deveriam ser julgados como "criminosos de guerra"


postado em 15/05/2018 07:36

O governo do Irã afirmou nesta terça-feira que os dirigentes israelenses deveriam ser julgados como "criminosos de guerra" pelo "massacre" na fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel, onde os soldados israelenses mataram 59 palestinos.

"O assassinato de crianças, mulheres e pessoas sem defesa da Palestina (...) se tornou a estratégia principal (de Israel) em 70 anos de ocupação", afirmou o porta-voz do ministério das Relações Exteriores iraniano, Bahram Ghasemi, em uma nota publicada no site da chancelaria.

Ghasemi pediu à comunidade internacional para "atuar imediatamente e julgar os dirigentes israelenses como criminosos de guerra ante jurisdições internacionais".

Os soldados israelenses mataram na segunda-feira 59 palestinos, enquanto 2.400 ficaram feridos nas proximidades da barreira de segurança que separa o território palestino de Israel quando, a dezenas de quilômetros de distância, a embaixada dos Estados Unidos era inaugurada em Jerusalém.

Ghasemi disse que "os persistentes crimes" de Israel são "o resultado do apoio sem falha dos Estados Unidos" ao Estado hebreu.

O porta-voz iraniano também acusou, veladamente, os países da região de "traidores" e de "passividade indigna" por não condenarem com veemência as ações israelenses.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade