Publicidade

Estado de Minas

Dissidência das Farc diz que equipe de imprensa equatoriana foi morta


postado em 11/04/2018 14:36

Bogotá, 11 - Os três membros de uma equipe de imprensa do jornal equatoriano El Comercio, sequestrados no fim de março por guerrilheiros dissidentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), foram mortos em uma suposta operação de resgate fracassada, segundo comunicado divulgado pelos combatentes.

O governo equatoriano informou que ainda não confirma a morte dos três e diz que fará um comunicado em canais oficiais assim que tiver mais informações. "O governo nacional informa que, diante da circulação de um comunicado, supostamente emitido pela frente Oliver Sinisterra, está verificando a autenticidade do documento e dos fatos descritos".

No comunicado divulgado pelos guerrilheiros, cuja autenticidade foi confirmada à emissora colombiana Blu Radio por autoridades de Colômbia e Equador, é informado que o suposto resgate foi feito "pela via militar, com desembarques em vários pontos onde estavam os senhores sequestrados, o que resultou na morte dos jornalistas e do motorista".

"Informamos para a opinião pública e para os parentes dos três sequestrados equatorianos que o governo do Equador e o ministro da Colômbia não quiseram salvar a vida dos três", continua a nota dos guerrilheiros.

"A frente Oliver Sinisterra lembra os governos do Equador e da Colômbia que não somos um grupo de delinquentes ou narcotraficantes como nos chamam, somos guerrilheiros das Farc e temos nossos próprios princípios e nossos ideais, lembrando que voltamos ao campo de batalha em razão da irresponsabilidade do governo colombiano ao não cumprir os acordos pactuados com a direção do secretariado das Farc."

O repórter Javier Ortega, de 32 anos, o fotógrafo Paúl Rivas, de 45 anos, e o motorista Efraín Segarra, de 60 anos, tinham sido sequestrados em 26 de março quando preparavam reportagens em Mataje, na fronteira com a Colômbia, região onde as autoridades dos dois países perseguem guerrilheiros que se afastaram do processo de paz. Eles estavam em poder do grupo armado dirigido por Walter Artízala, conhecido como "Gaucho", que comanda um grupo de cerca de 80 combatentes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade