Publicidade

Estado de Minas

Síria é criticada por suposto novo ataque químico


postado em 08/04/2018 19:06

O suposto bombardeio com gás tóxico atribuído ao governo sírio, o qual teria deixado dezenas de mortos em Duma, provocou neste domingo (8) uma onda de críticas internacionais.

O governo de Bashar al-Assad e seu aliado russo negaram um ataque com armas químicas sábado (7) em Duma, último bastião rebelde de Ghuta Oriental, região ao leste de Damasco.

"O presidente Putin, a Rússia e o Irã são responsáveis por apoiarem o Animal Assad. Pagarão caro", tuitou Trump.

"Muitos mortos, incluindo crianças e mulheres em um insensato ataque QUÍMICO na Síria. Área de atrocidade está bloqueada e cercada pelo Exército sírio, tornando-a completamente inacessível para o mundo externo", completou o presidente.

Os capacetes brancos - os socorristas que operam nas zonas rebeldes na Síria -, um grupo rebelde e a oposição no exílio também acusaram o governo de ter atacado Duma com armas químicas ontem.

Em um comunicado conjunto, os capacetes Brancos e a ONG Syrian American Medical Society afirmam que 48 pessoas morreram neste ataque com "gás tóxico". Também falaram em "mais de 500 casos, em sua maioria de mulheres e crianças" que apresentam "sintomas de uma exposição a um agente químico".

Por iniciativa da França, nove países solicitaram uma reunião urgente do Conselho de Segurança da ONU, para esta segunda-feira, anunciaram fontes diplomáticas neste domingo.

O pedido foi assinado por Costa do Marfim, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Holanda, Kuwait, Peru, Polônia e Suécia, acrescentaram as fontes.

Cabe à presidência do Conselho, assumida em abril pelo Peru, confirmar formalmente a realização da reunião.

- 'Instrumentos de extermínio' -

Um vídeo divulgado pelos capacetes brancos no Twitter, que teria sido gravado depois do suposto ataque químico, mostra corpos inertes, com espuma branca saindo da boca.

Firas al-Dumi, um socorrista em Duma, falou de "cenas espantosas".

"Havia muitas pessoas sufocadas, algumas morreram imediatamente", relatou à AFP.

"Era um massacre. Havia um odor muito forte que provocou dificuldades respiratórias nos socorristas", acrescentou.

O governo classificou essas acusações de "farsa" e de "fabricações". Moscou negou, categoricamente.

Outro aliado de Damasco, Teerã considerou que essas acusações são um novo "complô" contra o governo.

O Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), que obtém suas informações utilizando uma rede de informantes em toda a Síria, não pôde confirmar estas denúncias.

"Não existe uma guerra boa e uma guerra má, e nada - nada! - pode justificar o uso de tais instrumentos de extermínio contra pessoas e populações desarmadas", disse o papa Francisco na praça São Pedro, em Roma.

Londres afirmou, por sua vez, que "se ficar confirmado que o regime usou outra vez armas químicas, será um novo exemplo da brutalidade de Assad".

As autoridades turcas, que apoiam alguns grupos rebeldes ativos na Síria, disseram suspeitar que o governo esteja por trás desse ataque, de quem "se conhece os antecedentes sobre o uso de armas químicas".

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, disse estar "particularmente alarmado" com o suposto uso de gás.

A União Europeia (UE) afirmou, através do Serviço Europeu de Ação Exterior, que há "indícios" de que o regime sírio realizou um ataque químico em Duma, e instou a Rússia e o Irã a evitarem outro ataque.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade