Publicidade

Estado de Minas

Agentes acusados pela morte por desidratação de detento


postado em 14/02/2018 06:42

Três agentes penitenciários foram acusados de envolvimento na morte por desidratação de um detento que sofria uma doença mental, cujo advogado disse que morreu "torturado" em 2016, pedindo por água.

O escândalo mostra o lado obscuro do sistema penitenciário dos Estados Unidos, que tem uma das maiores taxas de detenção do mundo e prende de modo desproporcional negros e latinos.

"As acusações criminais contra funcionários do governo pela morte de um preso são excepcionalmente raras", disse à AFP Erik Heipt, advogado da família do detento morto.

Autoridades da penitenciária do condado de Milwaukee, Wisconsin, cortaram a água da cela de Terrill Thomas porque o consideravam muito barulhento.

Sete dias depois, Thomas, um afro-americano de 38 anos com distúrbio bipolar, morreu após um crescente enfraquecimento e a perda de 15 quilos.

Ele havia sido detido após um tiroteio no qual feriu um homem e por ter atirado dentro de um cassino.

Quase dois anos após sua morte, em abril de 2016, o prefeito e o procurador do distrito anunciaram na segunda-feira acusações criminais contra dois agentes, uma carcereira e um oficial.

A terceira pessoa acusada é uma comandante da prisão, que mentiu e escondeu imagens da cela de Thomas sem água.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade