Publicidade

Estado de Minas

EUA diz que ataques contra forças pró-regime sírio foram de 'autodefesa'


postado em 09/02/2018 00:00

Os ataques da coalizão internacional contra as forças leais ao regime sírio que haviam atacado um quartel-general de seus aliados árabe-curdos foram puramente de autodefesa, indicou nesta quinta-feira Jim Mattis, secretário de Defesa americano.

"Foi em defesa própria", declarou Mattis aos jornalistas no Pentágono. "Não estamos nos comprometendo na guerra civil síria".

Qualificando o incidente de "decepcionante", deu sua versão dos ataques da coalizão antijihadista na noite de quarta-feira perto de Deir Ezzor.

"Por razões que desconheço, forças pró-sírias - e realmente não vejo nenhuma explicação desses atos - se dirigiram a posições das Forças democráticas sírias, onde se encontravam soldados das forças especiais americanas", afirmou.

As forças pró-governo "começaram a lhes bombardear com fogo de artilharia (...), aproximando-se tanques", relatou. "Ao final de nossa operação para nos defendermos, sua artilharia estava destruída, dois de seus tanques foram destruídos e houve mortos".

Mattis não detalhou o número de mortos, mas o Pentágono, que havia mencionado "mais de 100 mortos", se absteve nesta quinta-feira de confirmar este número.

O comando americano contatou seu homólogo russo no local para evitar uma escalada e "os russos nos disseram que não tinham ninguém ali", continuou Mattis.

O embaixador russo ante a ONU, Vassily Nebenzia, havia afirmado nesta quinta-feira que os ataques da coalizão na província de Deir Ezzor foram "criminosos" e "inadmissíveis".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade