Publicidade

Estado de Minas

Trump e presidente da Guatemala falam sobre imigração e segurança


postado em 08/02/2018 19:54

O presidente americano, Donald Trump, reuniu-se nesta quinta-feira (8), em Washington, com seu contraparte guatemalteco, Jimmy Morales, com quem dialogou sobre segurança e a necessidade de controlar a imigração ilegal, informou a Casa Branca em uma curta nota oficial.

Segundo o comunicado, na reunião Trump "reforçou a importância de deter a imigração ilegal para os Estados Unidos a partir da Guatemala, e como responder aos desafios subjacentes em matéria de segurança e prosperidade".

Na rápida reunião, o presidente americano "agradeceu ao presidente Morales por seu apoio aos Estados Unidos e Israel".

Em uma recente votação nas Nações Unidas, a Guatemala foi um dos nove países a apoiar a decisão de Washington de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

Assim como os Estados Unidos, a Guatemala também anunciou a decisão de transferir sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém.

Segundo a nota da Casa Branca, Trump e Morales discutiram também a situação na Venezuela e "acordaram trabalhar juntos para restabelecer a democracia neste país".

A reunião de apenas 15 minutos entre os dois chefes de Estado foi celebrado em um hotel da capital americana, onde Trump participou posteriormente de um encontro com líderes religiosos.

A presidência guatemalteca, por sua vez, informou em seu boletim que Trump "reconheceu os esforços que o governo da Guatemala fez para combater a corrupção", uma afirmação que a Casa Branca não descartou em seu texto.

O presidente guatemalteco também se reuniu nesta quinta-feira durante cerca de uma hora com o secretário de Estado americano, Rex Tillerson.

No entanto, no fim deste encontro Morales evitou dar declarações à imprensa.

Morales enfrenta críticas pela tentativa de expulsar o chefe de uma comissão da ONU antimáfia, que pediu para investigá-lo por suspeitas de financiamento ilegal na campanha eleitoral.

A procuradora geral guatemalteca, Thelma Aldana, destacou ainda que o governante "não é um aliado na luta contra a corrupção".

A Comissão Internacional contra a Impunidade na Guatemala (Cicig) funciona no país desde 2007 para desarticular as estruturas do crime incrustadas no Estado.

A chanceler guatemalteca, Sandra Jovel, informou esta semana ter apresentado na ONU as "preocupações" do governo sobre ingerências internas da comissão, entre outras queixas.

Veículos locais informaram que a diplomata também pediu a remoção do titular da entidade, o ex-juiz colombiano Iván Velásquez.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade