Publicidade

Estado de Minas

China critica EUA por classificar Pequim como potencial adversário nuclear


postado em 04/02/2018 09:12

Pequim, 04 - O Ministério da Defesa da China divulgou neste domingo documento criticando o relatório dos Estados Unidos, publicado na última sexta-feira (2), que considerou Pequim como potencial adversário nuclear. No comunicado, o governo chinês diz que os EUA devem reduzir seu próprio arsenal, bem maior que o chinês, e promover a estabilidade regional.

O ministério da Defesa da China afirma que o arsenal nuclear chinês conta com o "nível mínimo" necessário para a segurança dos chineses e que o país se compromete a jamais ser o primeiro a utilizar armas nucleares "sob quaisquer circunstâncias".

A ala militar do Partido Comunista chinês, o Exército Popular da Liberação, tem o quinto maior arsenal nuclear do mundo, com 300 ogivas, de acordo com o Instituto Internacional de Pesquisa da Paz de Estocolmo. Estados Unidos e Rússia contam com cerca de 7 mil ogivas cada, aproximadamente 20 vezes mais do que Pequim.

A revisão da estratégia nuclear dos EUA declara diz que Washington busca evitar que o governo chinês interprete equivocadamente ser aceitável algum uso de armas nucleares, ainda que limitado. Em resposta, o porta-voz do ministério chinês Ren Guoqiang declarou que "firme oposição" ao documento norte-americano. O comunicado divulgado hoje pela China diz ainda que a paz mundial e o desenvolvimento "são tendências irreversíveis" e convocou os EUA a trabalharem junto com o país para "salvaguardar a paz, a estabilidade e a prosperidade na região e no mundo".

Ainda no relatório, os EUA aprovaram a manutenção de acordos de controles de armas do país e a adesão ao tratado "Novo Começo", que impõe aos norte-americanos e à Rússia o limite de 1.550 ogivas nucleares estratégicas em no máximo 700 lançadores. Os EUA afirmam que estão em conformidade com o documento deste agosto de 2017 e que esperam que a Rússia cumpra o prazo do acordo, que é segunda-feira.

A China tem adotado medidas e feito comentários ameaçadores dirigidos ao Japão, Coreia do Sul e sudeste asiático a fim de pressioná-los na disputa por ilhas e extensões do oceano. Em dezembro, a China enviou bombardeiros e aviões de combate para sobrevoar próximo a Taiwan, ilha e cidade-Estado reivindicada por Pequim como seu território. Aviões de guerra chineses também se aproximaram do espaço aéreo sul-coreano e japonês, o que fez o Japão autorizar o envio de jatos de combate para interceptá-los. Fonte: Associated Press.

(AE)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade