Publicidade

Estado de Minas

Primeiro-ministro italiano condena ataque a tiros contra imigrantes africanos

Enrolado em uma bandeira da Itália, suspeito abriu fogo de dentro de um carro contra vários estrangeiros na Região Central da Itália. Seis ficaram feridos


postado em 03/02/2018 16:30 / atualizado em 03/02/2018 18:14

(foto: AFP / ITALIAN CARABINIERI PRESS OFFICE )
(foto: AFP / ITALIAN CARABINIERI PRESS OFFICE )

O primeiro-ministro da Itália, Paolo Gentiloni, condenou o ataque a tiros que teve como alvo imigrantes africanos na cidade de Macerata, no centro da Itália, dizendo que "o ódio e a violência não vão conseguir nos dividir". Gentiloni disse neste sábado que "uma coisa é certa, que crimes horríveis e o comportamento criminoso serão processados e punidos. Esta é a lei".

Gentiloni afirmou ainda que a Itália será "particularmente severa contra quem pensar em nutrir esta espiral de violência". Luca Traini, um italiano de 28 anos, sem histórico criminal, foi preso pelo ataque a tiros que feriu seis pessoas. A agência de notícias Ansa informou que Traini tinha concorrido como candidato pelo partido anti-imigração Liga do Norte em uma eleição local no ano passado no município de Corridonia. 


Ataque 

(foto: AFP / ITALIAN CARABINIERI PRESS OFFICE )
(foto: AFP / ITALIAN CARABINIERI PRESS OFFICE )

O motivo do ataque, que alvejou somente pessoas de nacionalidade estrangeira e negros, ainda não é conhecido, mas um homem já foi preso. É possível, no entanto, que o ataque seja uma represália à morte de uma italiana esta semana, cujo corpo foi encontrado na mesma cidade, desmembrado e escondido em duas malas. Um imigrante nigeriano foi detido por suposto envolvimento no crime.

 

Segundo a polícia, o homem detido no episódio de hoje tem 28 anos e não tem histórico criminal. Paralelamente, um vídeo publicado pelo jornal Resto di Carlino mostrou um homem com a bandeira italiana pendurada nas costas sendo preso pela polícia local a poucos metros de onde teria deixado o carro usado no ataque.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade