Publicidade

Estado de Minas

Partido opositor venezuelano diz que foi marginalizado das presidenciais


postado em 03/02/2018 00:42

O partido opositor Primero Justicia (PJ), do ex-candidato presidencial venezuelano Henrique Capriles, denunciou nesta sexta-feira que o poder eleitoral o deixou de fora das eleições presidenciais ao cancelar um processo de reinscrição previsto para este fim de semana.

"Queremos denunciar (...) que o CNE - Conselho Nacional Eleitoral -, violando a constituição e seu próprio regulamento, acaba de decidir eliminar a possibilidade de reinscrição de nossa organização política, à que tínhamos direito por lei", expressou o PJ em uma nota de imprensa.

A suspensão foi confirmada por Luis Emilio Rondón, o único de cinco reitores do CNE afim à oposição.

"Rejeito que, inesperadamente, o CNE modifique as condições do processo de renovação de partidos, descumprindo inclusive o cronograma já aprovado e publicado, ao impedir o Primero Justicia de ir à fase de reparos", escreveu no Twitter.

O Primero Justicia iria neste sábado e domingo a uma "reparação", em que faria uma segunda tentativa de recolher as assinaturas necessárias para se reinscrever, após não consegui-lo no fim de semana passado.

O processo foi ordenado pela Assembleia Constituinte, que governa com poderes absolutos, aos partidos que foram marginalizados das municipais de dezembro.

"Com esta decisão do CNE, novamente se tornam questionáveis a seriedade e vontade que a ditadura tem de garantir eleições livres e transparentes", ressaltou o PJ.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade