Publicidade

Estado de Minas

Congresso envia a Trump resolução contra supremacistas brancos


postado em 13/09/2017 17:37

O Congresso dos Estados Unidos aprovou por unanimidade uma resolução que condena os neonazistas, a Ku Klux Klan (KKK) e outros nacionalistas brancos, um texto que o presidente Donald Trump, criticado por sua hesitação sobre o tema, imediatamente se comprometeu a assinar.

A resolução conjunta das duas câmaras do Congresso foi concebida para condenar oficialmente a violência racial do mês passado em Charlottesville, Virgínia, no qual uma ativista antirracista morreu atropelada pelo veículo que um supremacista branco lançou contra a multidão depois que uma marcha de manifestantes de direita descambou para a violência.

Os congressistas, que descreveram o incidente como um "ataque terrorista interno", pediram que o governo Trump melhore a compilação de dados sobre crimes e discursos de ódio.

Trump assinará o texto "assim que o receber", declarou nesta quarta-feira a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, assegurando que o presidente tinha sido "claro" em sua declaração inicial sobre a condenação "do ódio e do racismo em todas as suas formas".

Embora efetivamente tenha condenado os ataques racistas, nos quais a jovem morreu, em discurso solene na Casa Branca, desde o dia seguinte à marcha Trump causou estupor até mesmo entre seus apoiadores republicanos por dar declarações em que parecia equiparar moralmente membros da direita supremacista de Charlotesville aos manifestantes que os denunciavam.

Mas em sua declaração, os legisladores atribuíram a culpa a um único lado, "rechaçando os nacionalistas brancos, os supremacistas brancos, a Ku Klux Klan, neonazistas e outros grupos de ódio" e urgindo "o presidente e seu gabinete a usar todos os recursos disponíveis para enfrentar as ameaças trazidas por estes grupos".

A Câmara de Representantes aprovou a medida por unanimidade na terça-feira, depois de o Senado ter feito o mesmo mais cedo, e agora irá para a Casa Branca para ser assinada por Trump.

Legisladores de Virgínia disseram que o Congresso falou com "uma voz unificada" para condenar inequivocamente o incidente em Charlotesville.

A moção faz um reconhecimento e oferece condolências pela morte de Heather Heyer, de dois policiais falecidos em um helicóptero que caiu enquanto acompanhava o protesto e outras 19 pessoas feridas nos atos de violência.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade