Publicidade

Estado de Minas

Terremoto de 8,2 graus deixa ao menos 35 mortos no México e gera alerta de tsunami

Autoridade acreditam que o número de mortes pode subir nos próximos dias


postado em 08/09/2017 13:25 / atualizado em 08/09/2017 14:12

Rua na Zona Leste da Cidade do México ficou devastada após o tremor de terra(foto: AFP / ALFREDO ESTRELLA )
Rua na Zona Leste da Cidade do México ficou devastada após o tremor de terra (foto: AFP / ALFREDO ESTRELLA )

Um terremoto de 8,2 graus de magnitude na costa do Pacífico mexicano, o maior em 100 anos, deixou pelo menos 35 mortos na quinta-feira à noite e foi sentido em grande parte do território, incluindo a capital. Na costa do Pacífico central e Sul do México, um alerta de tsunami foi ativado para a possibilidade de ondas de até quatro metros. A advertência foi levantada pouco depois. Localidades costeiras receberam ordem de evacuação.

O terremoto aconteceu às 23H49 locais (01H49 de Brasília, sexta-feira) perto da cidade de Tonalá (Chiapas), a quase 100 km da costa, a uma profundidade de 19 quilômetros. "É o maior tremor registrado no país nos últimos anos", afirmou o presidente Enrique Peña Nieto, em uma mensagem transmitida na televisão momentos depois do abalo sísmico.

O pânico se espalhou de norte a sul do país entre seus 120 milhões de habitantes. Dezessete vítimas morreram na localidade de Juchitán, surdste de Oaxaca, segundo informou à tv local o governador Alejandro Murat.

O vizinho estado de Chiapas, em cujo litoral foi registrado o epicentro, reportou sete mortos. Além disso, há três mortos em Tabasco, também no sul. As autoridades advertem que este número pode aumentar nas próximas horas.

O governador de Chiapas, Manuel Velasco, confirmou que duas das três vítimas fatais são mulheres que moravam em San Cristóbal de las Casas.


Arturo Nuño, governador de Tabasco, anunciou as mortes de dois menores de idade: um na queda de uma barreira e outro, um recém-nascido, quando o aparelho de oxigênio ao qual estava conectado parou de funcionar com o corte de energia elétrica.

As aulas foram suspensas em vários estados, incluindo a capital, para uma revisão estrutural das escolas.
Na cidade de Juchitán, em Oaxaca, vizinho de Chiapas, um hotel desabou e várias casas sofreram danos, mas o governo estadual não registrou vítimas.

Milhares de moradores da Cidade do México saíram de suas casas quando receberam o alerta sísmico, que avisa a população um minuto antes de um tremor.

A capital e sua região metropolitana, com mais de 20 milhões de habitantes, não registraram muitos problemas, no entanto, e os transportes públicos seguiram com funcionamento normal. O aeroporto internacional suspendeu momentaneamente algumas operações.

As autoridades mencionaram vidros quebrados, quedas de objetos em avenidas, mas até o momento não há informações sobre incidentes relacionados com pessoas.

Especialistas explicaram que o terremoto não foi sentido na Cidade do México da mesma maneira que outros de menor intensidade porque o epicentro está a 800 km da capital, que é afetada sobretudo por tremores registrados na costa de Guerrero, a 400 km.

As autoridades alertaram para a possibilidade de um tremor secundário superior a 7 graus nas próximas horas. Até o momento foram registrados mais de 100 terremotos de menor intensidade. O tremor também foi sentido na Guatemala, onde provocou o corte de energia elétrica em algumas áreas do oeste do país.

O México fica entre cinco placas tectônicas e é um dos países que registra maior atividade sísmica no mundo. Muitos mexicanos se recordam do terremoto de setembro de 1985, que deixou um balanço oficial de mais de 10.000 mortos. Algumas organizações civis mencionam mais de 20.000 vítimas fatais.

Desde então, o governo adotou regras mais rígidas para a construção e em relação aos planos de proteção civil.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade