Publicidade

Estado de Minas

Colômbia e Farc firmam novo acordo de paz em Bogotá nesta quinta


postado em 23/11/2016 01:55

O governo da Colômbia e a guerrilha das Farc assinam nesta quinta-feira (24), em Bogotá, o novo acordo de paz selado há dez dias, o qual deve ser confirmado pelo Congresso para sua implementação.

"Na quinta-feira, depois de amanhã, vamos firmar este novo acordo aqui em Bogotá, no teatro Colón", no centro da cidade, anunciou nesta terça (22) o presidente Juan Manuel Santos, em pronunciamento transmitido por televisão direto da Casa de Nariño.

A cerimônia será realizada às 11h locais (14h, horário de Brasília), indicaram as partes em um comunicado divulgado mais cedo na capital colombiana.

Além disso, o governo e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) acertaram que o mecanismo de aprovação do novo pacto será o Congresso, por meio de procedimentos que estão sendo detalhados.

"O Congresso, por sua própria natureza, conta não apenas com a legitimidade do voto popular, mas representa todos e cada um dos departamentos e regiões do país. Dado que a paz se consolidará dos territórios, esse elemento é muito importante", afirmou Santos.

Ele disse que é "indispensável" implementar o novo pacto "o mais rápido possível", dada a "fragilidade" do cessar-fogo bilateral em vigor entre as partes desde o final de agosto.

Membros da cúpula guerrilheira, incluindo seu líder máximo, Rodrigo Londoño ("Timochenko"), chegaram na segunda-feira (21) a Bogotá para acertar os últimos detalhes da assinatura oficial do texto, tendo ainda outro tema de fundo: a onda de assassinatos e de ameaças a líderes sociais.

Na manhã desta terça, Santos presidiu uma reunião de alto nível sobre direitos humanos para buscar conter essa onda de violência, a qual já deixou - segundo a guerrilha - ao menos três mortos, e além de dois atentados registrados nos últimos três dias.

Na saída do encontro, o presidente colombiano disse que não permitirá que "os violentos coloquem em risco os avanços e as esperanças de paz" na aplicação do acordo com as Farc. Pediu ainda que se "acelere" a aplicação do pacto de paz nessas regiões palco das agressões.

"Esses fatos são uma evidência palpável, dramática dos riscos que a incerteza nos traz diante da implementação do pacto e paz", acrescentou.

"Esse limbo vai aumentando os riscos. Por isso, a urgência de tomar decisões. É urgente passar para a fase seguinte de agrupamento e de alocação das Farc nas veredas para garantir o cessar-fogo e também dar garantias a todos os cidadãos" nesses locais, concluiu o presidente, referindo-se às seções administrativas nos municípios onde as armas serão entregues.

Na semana passada, dois guerrilheiros das Farc morreram em supostos confrontos com o Exército. Foi o primeiro incidente notificado durante o cessar-fogo. Na segunda-feira, a guerrilha denunciou "um genocídio" em andamento contra líderes sociais do país.

Porta aberta ao diálogo

A assinatura está prevista para acontecer apesar da oposição do ex-presidente da Colômbia e atual senador Álvaro Uribe, que pediu para se reunir com as Farc e fazer novas alterações no pacto para que, por exemplo, que não se permita a elegibilidade política de responsáveis por crimes atrozes enquanto cumprem suas penas e que o acordo não seja incluído na Constituição.

"Deve recorrer ao referendo popular, bem seja de todo o acordo, ou pelo menos desses temas sensíveis sobre os quais não há acordo", declarou ele, no Senado.

Lamentando que setores "radicais" da oposição rejeitem a novo proposta, Santos garantiu, por sua vez, que "a porta está aberta" para um diálogo com os críticos, fazendo um apelo para que cheguem a um consenso "sobre a implementação do acordo".

As Farc praticamente descartaram, hoje, a reunião com Uribe por considerar que o ex-presidente quer "adiar" a paz.

Para o diretor do centro de análises de conflito Cerac, o analista Jorge Restrepo, está "claro que seria melhor ter um acordo de consenso, mas isso é quase impossível de conseguir com o que o Centro Democrático (partido de Uribe) está pedindo às Farc, que é que não se elejam politicamente".

"Está bem que esse acordo tenha uma oposição, porque supõe que deve haver uma demonstração das partes de sua vontade para cumprir o oferecido. Uribe, além disso, não tem poder de veto, ou de bloqueio", completou Restrepo.

Nesta quarta, os negociadores do governo se reúnem com os porta-vozes dos partidos favoráveis ao acordo para definir os passos a seguir para referendar o texto, assim como as primeiras leis que serão apresentadas para implementar o acordo. Entre elas, está a da anistia para os guerrilheiros que não estão acusados de terem cometido crimes atrozes.

"Uma vez que os novos acordos tenham sido firmados, iniciaria o procedimento (para referendá-lo) no Congresso", explicou o presidente do Senado, Mauricio Lizcano, em conversa com a imprensa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade