Publicidade

Estado de Minas

"Quem somos nós para julgar", diz papa Francisco sobre homossexuais

Em conversa com jornalistas no voo de volta da Armênia, o pontífice foi questionado sobre o massacre homofóbico de Orlando, reivindicado pelo grupo Estado Islâmico


postado em 26/06/2016 21:01 / atualizado em 26/06/2016 23:23

(foto: AFP PHOTO/HECTOR GUERRERO )
(foto: AFP PHOTO/HECTOR GUERRERO )

O papa Francisco reiterou sua tolerância sobre a homossexualidade, perguntando: "Quem somos nós para julgar?". Em conversa com jornalistas no voo de volta da Armênia, o pontífice foi questionado sobre o massacre homofóbico de Orlando, reivindicado pelo grupo Estado Islâmico. Francisco lembrou que, segundo o catecismo, os homossexuais "não devem ser discriminados, mas respeitados e acompanhados no plano pastoral".

"Uma pessoa que vive nessa condição, que tem boa vontade, que busca a Deus, quem somos nós para julgá-la?", perguntou, repetindo a fórmula que empregou em seu retorno do Rio de Janeiro a Roma em 2013. Segundo o papa, os cristãos não só devem pedir perdão aos homossexuais, como "aos pobres, às mulheres exploradas e às crianças obrigadas ao trabalho forçado". "Os cristãos devem pedir perdão o tempo todo", recomendou.

No voo, o papa também justificou o uso do termo "genocídio" para referir-se aos massacres de armênios perpetrados pelo Império Otomano. "Depois de ter sentido o tom do discurso do presidente (Serge Sarkisian), e depois de ter pronunciado essa palavra no ano passado em São Pedro, achei que ficaria estranho se não usasse a mesma palavra", explicou. "Não utilizei essa palavra com um ânimo ofensivo, mas de forma objetiva", ressaltou.


O vice-primeiro-ministro turco criticou a declaração do papa, afirmando se tratar de "uma mentalidade de Cruzada". O Brexit esteve entre os assuntos abordados na conversa com os jornalistas. Francisco alertou sobre o risco de uma "balcanização" da Europa e defendeu uma "desunião saudável" entre os membros da União Europeia. Ele apontou o risco de regiões como Escócia ou Catalunha optarem pela "secessão", o que, segundo ele, levaria a uma "balcanização" da Europa. "O passo que a Europa deve dar é um passo de criatividade e de desunião saudável (...), ou seja dar mais independência, mais liberdade aos países da União Europeia", recomendou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade