Publicidade

Estado de Minas

Papa chama de 'contra-senso' demissão de cardeal investigado por pedofilia


postado em 16/05/2016 17:37

O papa Francisco afirmou em uma entrevista ao jornal La Croix que a demissão do cardeal francês Phillippe Barbarin, acusado de não ter denunciado abusos sexuais a menores em sua diocese, seria um "contra-senso" antes de saber a sentença do julgamento.

Em declarações ao veículo, que foi publicado na terça-feira, sobre a pergunta de se Barbaria devia se demitir, o pontífice respondeu: "Não, seria um contra-senso, uma imprudência".

"Veremos depois da conclusão do processo. Mas agora, isso seria assinalá-lo como culpado", acrescentou.

"Segundo os elementos de que disponho, creio que em Lyon, o cardeal Barbarin (...) assumiu o comando da situação", explicou o santo padre, para quem o arcebispo de Lyon é "um valente, um criativo, um missionário".

"Devemos esperar agora para ver como seguirá o procedimento diante da justiça civil", acrescentou.

O cardeal Barbarin, personalidade influente da hierarquia católica francesa, se encontra em duas investigações junto a outros responsáveis religiosos por "não denunciar" agressões sexuais cometidas contra jovens entre 1986 e 1991 pelo sacerdote Bernard Preynat.

Este último, em atividade até agosto de 2015, reconheceu os feitos e foi acusado em 27 de janeiro.

Uma associação defensora das vítimas, La Parole Libérée, repreendeu Barbaria por não ter informado sobre os atos do sacerdote à justiça, apesar de estar ciente desde 2007.

O cardeal francês, arcebispo de Lyon desde 2002, nega ter encoberto os acontecimentos, ainda que tenha admitido em 25 de abril "erros na gestão e nomeação de certos sacerdotes".

De forma mais geral, o papa Francisco estimou que nos casos de pedofilia não era "fácil julgar os feitos após décadas, em outro contexto". "Mas para a Igreja, nesse campo, não pode haver prescrições", acrescentou.

"Por estes abusos, um sacerdote que teria como vocação conduzir uma criança para Deus, o destrói. Dissemina o mal, o ressentimento, a dor. Como havia dito Bento XVI, a tolerância deve ser zero", insistiu, citando seu antecessor.

A Igreja Católica na França, sacudida há vários meses por escândalos de pedofilia, anunciou em 12 de abril uma série de medidas para esclarecer estes abusos sexuais em seu seio.


Publicidade