UAI
Publicidade

Estado de Minas

Fechamento da última mina de carvão britânica marca fim de uma era


postado em 17/12/2015 19:01

"Os melhores mineiros britânicos trabalham em Kellingley", anuncia, orgulhosamente, um cartaz na entrada do lugar. Os melhores, e também os últimos de uma indústria que marcou profundamente a história econômica e social do Reino Unido.

O último capítulo desta história terá seu fim definitivo na sexta-feira nesta área enevoada do norte do condado de Yorshire, onde a mina de carvão de Kellingley, a última em atividade no país, fechará depois de 50 anos de serviço.

"Estou enojado, como todo mundo. É o fim de uma era. Esta semana faremos História, a última mina profunda da Inglaterra. Nosso país se construiu sobre o carvão durante a Revolução Industrial", lamenta Tony Carter, de 52 anos, um dos 450 mineiros que ainda desciam todos os dias ao subterrâneo em busca de carvão.

Como o resto da Europa, os rostos sujos de preto, as escavações de poços, chaminés de fumaça, a dança de empilhadeiras e caminhões carregados de carvão: tudo será, em breve, uma recordação distante; uma imagem de outros tempos.

Para muitos, o que desaparecerá no dia 18 de dezembro é uma parte de suas vidas e da história de suas famílias.

"Meu pai era mineiro. A maioria das pessoas tinha pais mineiros, é nosso patrimônio. É uma vergonha" que fechem a mina, desabafa Carter.

"É uma velha cidade, uma cidade de mineiros. Eles querem trabalhar, não querem aceitar o subsídio de desemprego, não querem ajudas: os homens querem trabalhar. É a morte desta cidade", lamenta Kevin Butler, apoiado em uma mesa de bar da associação de mineiros de Knottingley, localidade vizinha à mina, com um copo de cerveja na mão e lágrimas nos olhos.

Butler é ferreiro e não trabalha na mina, mas como quase todos na cidade se viu golpeado pelo fechamento. Seu filho mineiro foi para a Austrália trabalhar em outra atividade quando soube que Kellingley seria fechada. Mas esta não é uma possibilidade ao alcance de todos: a maioria dos funcionários da mina trabalham assim desde a adolescência e se não imaginam em outra ocupação.

É una mina 'rentável'

Para Keith Poulson, do Sindicato Nacional de Mineradores (NUM, na sigla em inglês), o fechamento é motivo de tristeza e frustração.

"É absolutamente revoltante pensar que vamos dar as costas a uma mina rentável, a uma indústria na qual dispomos de uma força de trabalho qualificada para extrair (carvão), e que simplesmente vamos deixar que feche. É absolutamente escandaloso", disse, indignado.

Este antigo mineiro considera a situação absurda, tendo em conta que a mina é rodeada por três centrais elétricas a poucos quilômetros de distância, entre elas a Drax, a principal usina a carvão do Reino Unido, que abastece de 7% a 8% da demanda elétrica do país.

"Abastecemos a Drax com carvão desta mina. Dispomos de 20 anos ou mais de reservas de carvão prontas para fornecimento à Drax, mas, por alguma razão, já não necessitaremos de carvão britânico", embora a "Drax vá continuar queimando carvão nos próximos dez, quinze anos", argumenta Poulson.

O problema é que, em tempos de acordos internacionais visando conter as mudanças climáticas e a consolidação de uma transição energética, o carvão, cuja combustão gera muitos gases de efeito estufa, tornou-se impopular.

O governo britânico anunciou, em novembro, sua intenção de fechar, antes de 2025, as centrais de carvão mais poluentes.

Assim, das três centrais de carvão próximas a Kellingley, somente a Drax continuará em funcionamento depois de 2016. As importações mais baratas do exterior, especialmente da Rússia e Colômbia, e o aumento do imposto sobre o carvão decidido em abril fizeram o resto do trabalho.

Para o dirigente do NUM, os mineradores são, sobretudo, vítimas das margens industriais e dos impostos, porque o custo do carvão só aumentou nas últimas décadas.

"Quando comecei em 1977, o preço do combustível para as centrais elétricas era de 27 libras a tonelada e hoje o preço de atacado do carvão é de 30 libras a tonelada. Agora me diga, sua fatura elétrica reflete um aumento de somente três libras em 39 anos? Sinto dizer que não."

Apesar do sentimento de abandono, ele recorda das boas recordações e da camaradagem, em condições de trabalho muito duras, sem dúvida.

"Amei cada minuto de meu trabalho, era um grupo fantástico, não existe gente melhor que os mineradores", afirma Tony Carter.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade