Publicidade

Estado de Minas

Bispo mártir é beatificado em El Salvador


postado em 24/05/2015 00:12 / atualizado em 24/05/2015 11:20

San Salvador – Oscar Arnulfo Romero, arcebispo de San Salvador assassinado em 1980 durante uma missa, foi proclamado beato da Igreja Católica ontem, 35 anos após sua morte, em uma cerimônia que reuniu milhares de pessoas. A cerimônia de beatificação de Romero foi acompanhada por mais de 200 mil fiéis. “Em virtude de nossa autoridade apostólica, proclamamos que o venerado servo de Deus Oscar Arnulfo Romero Galdámez, bispo, mártir, pastor segundo o coração de Cristo, evangelizador e pai dos pobres, testemunha heroica dos reinos de Deus, reino de justiça, fraternidade e paz, de agora em diante se chame beato”, proclamou o cardeal Angelo Amato ao ler uma carta do papa Francisco. Após a declaração, os milhares de espectadores da cerimônia responderam com um prolongado aplauso, enquanto um coral entoava “teu reino é vida, teu reino é verdade”. Imediatamente, foi exibido um gigantesco retrato de Romero em meio a gritos de saudações de uma multidão entusiasmada que cantava “vivas” a seu pastor. Amato proclamou o 24 de março como o dia de celebração da festa de Romero, “o dia em que nasceu para o céu”, uma referência à data de seu assassinato.

O então arcebispo foi morto com um tiro no peito em 24 de março de 1980 por um atirador ligado à extrema-direita, depois de clamar por justiça social e o fim da repressão no país. O assassinato deu início a uma guerra civil de 12 anos que deixou 75 mil mortos. Ninguém foi condenado pelo crime. “Expresso nosso mais profundo agradecimento ao sucessor do apóstolo Pedro, sua santidade o papa Francisco, pela beatificação do mártir monsenhor Oscar Arnulfo Romero, que derramou seu sangue em defesa da fé”, exclamou o arcebispo de El Salvador, José Luis Escobar. Romero foi chamado de “a voz dos sem voz” por suas denúncias da injustiça social e da repressão que sofria o povo salvadorenho. Sua morte foi classificada pelo papa Francisco como um martírio “por ódio à fé”, o que abriu as portas para sua beatificação. O papa Francisco afirmou ontem que o momento é favorável para uma “verdadeira e própria reconciliação nacional” em El Salvador. Em uma carta enviada ao atual arcebispo de San Salvador, José Luis Escobar Alas, o pontífice recordou a figura de Romero, que, segundo ele, “convida à sensatez e à reflexão” e mostra que é necessário “renunciar à violência da espada e do ódio”. “Monsenhor Romero, que construiu a paz com a força do amor, deu testemunho da fé com sua vida entregue ao extremo”, escreveu o papa.

OBAMA


Por sua vez, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, expressou a sua satisfação com a beatificação de Oscar Arnulfo Romero. “Hoje me uno ao povo de El Salvador e de todo o mundo para receber com satisfação a beatificação do arcebispo Romero”, afirma o presidente americano em uma nota oficial da Casa Branca. Obama afirmou que Romero foi “uma figura inspiradora para o povo de El Salvador e de todo o continente americano. Foi um sacerdote inteligente e um homem corajoso”.


Publicidade