Publicidade

Estado de Minas

Aumenta mistério sobre desaparecimento de avião da Malaysia Airlines

Encontro de fragmentos que supostamente seriam do Boeing 777 que desapareceu sábado com 239 pessoas a bordo entre a Malásia e a China reforça suspeita de desintegração


postado em 10/03/2014 07:37

Parentes de passageiros chineses do voo MH370 se reúnem em um hotel em Pequim à espera de notícias sobre as buscas ao avião(foto: STR)
Parentes de passageiros chineses do voo MH370 se reúnem em um hotel em Pequim à espera de notícias sobre as buscas ao avião (foto: STR)

Aviões da Marinha do Vietnã localizaram ontem o que podem ser fragmentos de uma aeronave no Mar do Sul da China, ao sul do Vietnã. Os destroços seriam um componente da porta interior e um pedaço da cauda do Boeing 777 da Malaysia Airlines, informou o Ministério de Informação e Comunicação do Vietnã. A aeronave não conseguiu pousar perto dos objetos para investigá-los melhor devido à falta de iluminação, mas seguirá com o processo de identificação na manhã de hoje. Os fragmentos foram encontrados flutuando a cerca de 80 quilômetros da Ilha Tho Chu. O avião desapareceu repentinamente nas primeiras horas de sábado, pouco depois de decolar da capital da Malásia em direção a Pequim. Desde então, 40 navios e 35 aviões de resgate vinham vasculhando as águas, sem sucesso.

O desaparecimento da voo MH370 – no qual estavam 227 passageiros e 12 tripulantes – continua sendo um mistério. Leituras de radar militar indicaram que o piloto da aeronave pode ter desviado a rota para retornar a Kuala Lumpur antes sumir, “o que pode significar que a aparelho poderia estar em qualquer lugar”, comentou o ministro de Transportes interino, Hishamuddin Hussein, que também responde pelo Ministério de Defesa da Malásia. O chefe da força aérea, o general Rodzali Duad, informou que o Exército ainda estuda os dados captados pelo radar militar.

A investigação sobre o destino da aeronave ficou mais intrigante após revelações de que dois passageiros teriam embarcado com passaportes roubados. Como havia três nortes-amerianos a bordo do avião sinistrado, o FBI – a polícia federal dos Estados Unidos – enviou uma equipe para a Malásia para ajudar nas investigações. O chefe da polícia na Malásia, o inspetor Khalid Abu Bakar, disse em Terengganu que os investigadores não descartam a possibilidade de terrorismo no voo MH370. Uma autoridade de aviação da Malásia disse que o órgão regulador investiga os arquivos de vídeo dos dois passageiros carregando passaportes roubados, desde o check-in até a decolagem. As duas pessoas – um austríaco e outro italiano – estavam listadas como passageiros, mas não estavam no voo. Ambos tiveram os passaportes roubados na Tailândia. O voo MH370 transportava passageiros de mais de 12 nacionalidades, sendo pouco mais da metade deles da China.

Autoridades que investigam o desaparecimento do avião da Malaysia Airlines estão direcionando o foco de suas investigações para a possibilidade de uma desintegração em pleno voo. O avião desapareceu depois de alcançar a altitude de cruzeiro de 35 mil pés (cerca de 11 mil metros). “Se o avião tivesse mergulhado intacto dessa altura, rompendo-se apenas no impacto com a água, as equipes de busca deveriam encontrar uma quantidade bastante concentrada de destroços”, disse a fonte. “Aviões não caem quando estão numa rota como essa”, disse Paul Hayes, diretor de Segurança da Flight Global Ascend, uma empresa de consultoria de aviação baseada na Inglaterra. “Esse é um evento extremamente incomum.” Apenas outro desastre recente teve características parecidas: a perda do voo 447 da Air France, que caiu no Oceano Atlântico em 1º de junho de 2009, na rota entre o Rio de Janeiro e Paris.

LIMBO LEGAL
Por enquanto não está claro quem vai assumir o comando para determinar o que ocorreu com a aeronave da Malásia. De acordo com as regras da Organização Internacional de Aviação Civil, o governo do território em que o acidente ocorreu normalmente tem a jurisdição sobre os destroços e assume o controle da investigação. Por isso é provável que nenhuma autoridade possa assumir o comando, até que os destroços sejam encontrados. Nesse caso, seria o Vietnã, mas se o avião caiu em águas internacionais, a Malásia terá o controle e os EUA estariam envolvidos porque o avião foi construído lá.

“Ou foi uma explosão, uma queda de raio ou uma descompressão grave”, disse um ex-piloto da Malaysia Airlines. “O 777 pode voar depois de ser atingido por um raio ou até mesmo uma grave descompressão. Mas com uma explosão, não existe a menor chance.” “Uma perda repentina de pressão na cabine pode ter causado uma descompressão explosiva e destroçado o avião”, disse John Goglia, um antigo membro da diretoria do National Transportation Safety Board. Esse tipo de descompressão pode ser causado por corrosão ou fadiga do metal na fuselagem.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade