Publicidade

Estado de Minas

Crimeia, uma república autônoma em crise no sul da Ucrânia


postado em 26/02/2014 16:37

A Crimeia, uma república autônoma de língua russa do sul da Ucrânia, é uma península que separa o Mar Negro do Mar de Azov.

A região está mergulhada atualmente em tensões separatistas que se intensificaram com a destituição do presidente ucraniano Viktor Yanukovytch, na semana passada.

Confrontos foram registrados nesta quarta-feira entre manifestantes pró-russos e partidários das novas autoridades do país em Simferopol, capital da Crimeia, onde o presidente do Parlamento local descartou qualquer debate sobre uma eventual separação.

Mais de 5.000 pessoas se reuniram diante do Parlamento da Crimeia, com tártaros de um lado, em maior número, e pró-russos do outro.

Os tártaros, membros de uma comunidade local de tradição muçulmana, carregavam bandeiras ucranianas e gritavam "Ucrânia, Ucrânia!".

Presentes desde o século XIII nesta região, foram deportados para Sibéria e Ásia central por Stalin, e retornaram após a queda da União Soviética em 1991. Eles constituem 12% dos 2 milhões de habitantes da península de maioria russa.

Esta comunidade apoiou ativamente a contestação contra Yanukovytch que levou à queda do ex-presidente.

Península de cerca de 27.000 km2, a Crimeia, tomada dos turcos pela imperatriz Catarina II da Rússia, foi integrada ao império russo em 1783.

A Crimeia é ligada ao restante da Ucrânia pelo istmo de Perekop, de 7 km de extensão.

A península foi incorporada por Nikita Khruschev à Ucrânia soviética em 1954. Depois do fim da URSS, a Crimeia se tornou, em 1992, uma república autônoma da Ucrânia.

Ainda hoje, a Crimeia continua a abrigar a frota russa, do Mar Negro a Sebastopol, importante cidade e um dos maiores portos do país. Essa base é estrategicamente importante para a Rússia porque leva ao Mediterrâneo.

Desde o fim da União Soviética, em 1991, a questão da frota russa envenena as relações entre Kiev e Moscou. A Ucrânia independente reivindica uma parte da antiga frota soviética do Mar Negro.

Em 2010, após anos de disputa, os parlamentos ucraniano e russo assinaram um acordo sobre a prorrogação por 25 anos - até 2042 - da presença da frota russa na região, em troca de uma redução de 30% no preço do gás russo exportado para a Ucrânia.


Publicidade