Publicidade

Estado de Minas

ONU exige explicações precisas sobre pedofilia à Igreja Católica

Vaticano terá de responder a perguntas sobre casos de violência sexual


postado em 10/07/2013 12:04 / atualizado em 10/07/2013 13:14

Casos envolvendo abusos sexuais contra crianças foram reconhecidos pelo Vaticano, fazendo com que a ONU cobrasse explicações(foto: REUTERS/Tony Gentile )
Casos envolvendo abusos sexuais contra crianças foram reconhecidos pelo Vaticano, fazendo com que a ONU cobrasse explicações (foto: REUTERS/Tony Gentile )

O Vaticano, que tem um posto de observador permanente na ONU, foi convidado pela primeira vez pelas Nações Unidas a dar explicações detalhadas sobre os abusos sexuais e violências cometidos contra crianças na Igreja Católica.

 Assim como todos os países membros da Convenção da ONU sobre os Direitos das Crianças, a Santa Sé deve responder regularmente por suas ações aos especialistas das Nações Unidas.

 Segundo o procedimento, os especialistas da ONU publicaram na segunda-feira uma lista de perguntas que o Vaticano deve responder, "se possível", até 1º de novembro. A Santa Sé será interrogada pela ONU em janeiro de 2014 em Genebra.

 Esta é a primeira vez em que são apresentadas perguntas precisas ao Vaticano, informou uma porta-voz do Comitê dos Direitos da Infância.

 A lista de perguntas elaborada pelo Comitê pede ao Vaticano, "levando em consideração o fato de que a Santa Sé reconheceu casos de violência sexual contra crianças cometidos por membros do clero, irmãos e irmãs em vários países", que apresente "informações detalhadas sobre todos os casos".

 A ONU deseja conhecer as medidas que foram adotadas pela Igreja Católica para punir os culpados de abusos sexuais contra as crianças. Também quer saber o que o Vaticano faz para que nenhum membro do clero acusado de pedofilia tenha contato com crianças e as medidas para apoiar as vítimas.

 O Comitê quer conhecer ainda as medidas para condenar e evitar os castigos físicos praticados em alguns centros de ensino católicos, assim como os progressos realizados para evitar uma educação discriminatória entre sexos nas escolas religiosas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade