Publicidade

Estado de Minas

Sean O'Malley, um cardeal blogueiro comprometido com a luta antipedofilia


postado em 11/03/2013 11:22

O cardeal americano Sean O'Malley, potencial sucessor de Bento XVI e com muita fama na internet, cumpriu uma importante tarefa há dez anos ao limpar a diocese de Boston, atingida por um escândalo de padres pedófilos.

Conhecido por sua simplicidade, de acordo com a pregada por sua ordem - do padre Pierre da França -, este erudito de 68 anos e língua hispânica, de óculos e barba branca, retomou em 2003 a diocese onde eclodiu o primeiro escândalo com impacto internacional sobre abusos sexuais na Igreja Católica.

Este tema é um dos primeiros que o próximo Papa deve atacar, considera O'Malley, um dos primeiros a ter colocado em prática uma política de "tolerância zero".

"Visto esse uniforme (de irmão capuchinho) há 40 anos e tenho a intenção de vesti-lo até a morte. Não pretendo trocá-lo", disse em Roma o cardeal, que recebeu este título em 2006, e atualmente é um dos candidatos a suceder o Papa.

"O cardeal Sean", como é chamado em seu blog (www.cardinalseansblog.org), veste boina basca no inverno e diz ter "comprado uma passagem de ida e volta" para sua viagem a Roma, descrevendo as conversas sobre ele se tornar o líder da Igreja como "surreais".

Embora os americanos raramente sejam favoritos para ocupar o posto do Papa, a imprensa especializada dos Estados Unidos se refere a ele como um possível sucessor de Bento XVI.

Isso se deve ao fato de ter todas as características necessárias. Veste sandálias e fala perfeitamente espanhol, num momento em que a comunidade católica sul-americana reúne 40% dos fiéis do mundo. Além disso, este cardeal considera que o próximo Papa deve "se comunicar com o resto do mundo". O ponto negativo registrado é seu italiano, que é "básico", segundo o National Catholic Reporter.

Castigar os bispos que acobertam abusos

Muito atento na hora de se dirigir aos jovens, o cardeal O'Malley foi o primeiro cardeal a ter um blog, tem mais de 13.000 seguidores em sua conta do Twitter e criou o canal de televisão Boston Catholic TV, que transmite programas religiosos.

Em várias ocasiões em sua diocese precisou enfrentar escândalos de abuso sexual, situação que lhe valeu sua nomeação em Boston e pela qual foi enviado a uma missão sobre esse tema na Irlanda.

Os bispos acusados de acobertar os abusos devem ser punidos, considera. "Agora não está muito claro, mas o próximo Papa deverá tomar decisões a respeito", disse ao Boston Globe. "Se não há uma política em andamento, se improvisa. E quando improvisamos cometemos erros", acrescentou.

De qualquer forma, uma associação americana de vítimas, Snap, acaba de inclui-lo em uma polêmica lista de cardeais que não devem ser eleitos, batizada de "os doze bastardos", por terem reagido muito tarde.

Patrick O'Malley, nascido no dia 29 de junho de 1944 em Lakewood (Ohio, nordeste), estudou em um pequeno seminário franciscano. Uniu-se aos capuchinhos, ramo franciscano, aos 21 anos, e tomou o apelido de Sean (João em gaélico) em referência a São João. Foi ordenado padre cinco anos mais tarde.

Doutor em literatura espanhola e portuguesa, especialista em místicos espanhóis, fundou em Washington o Centro Católico Hispânico, uma associação que ajuda os imigrantes.

Nomeado bispo em 1984, dirigiu a diocese de São Tomás nas Ilhas Virgens, Fall River em Massachusetts e Palm Beach, na Flórida, até sua nomeação como arcebispo de Boston pelo papa João Paulo II.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade