UAI
Publicidade

Estado de Minas MINERAÇÃO

Serra do Curral: nova presidente do Iepha-MG é prima de diretor da Tamisa

Como presidente do Iepha, Marília assume também conselho que irá decidir sobre o tombamento estadual da Serra do Curral


23/05/2022 11:37 - atualizado 23/05/2022 13:44

Imagem mostra presidente do Iepha-MG, Marília Palhares Machado
Arquiteta já exerceu a função de superintendente e diretora de promoção do Iepha-MG (foto: Reprodução/FAU/UFJF)


A presidente do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha), Marília Palhares Machado, nomeada no último dia 14 de maio pelo governador Romeu Zema (Novo), é prima de primeiro grau do diretor executivo da Taquaril Mineração S/A (Tamisa), empresa que conseguiu sinal verde para mineração na Serra do Curral.

Conforme apurado pela Agência Pública, o pai de Marília, Abel de Oliveira Machado, é irmão do pai de Guilherme Augusto Gonçalves Machado, diretor executivo da mineradora.

Como presidente do Iepha, Marília assumiu também a secretaria-executiva do Conselho Estadual de Patrimônio Cultural (Conep), órgão que decidirá sobre o tombamento estadual da Serra do Curral. O processo é visto por defensores do espaço como um passo importante para tentar barrar a licença de exploração dada à Tamisa.

Por meio de nota, o governo de Minas Gerais informou que Marília foi convidada a assumir o cargo por seu currículo, experiência e trajetória em defesa do patrimônio histórico. No Iepha-MG, Marília já exerceu a função de superintendente e diretora de promoção, destacando o Prêmio Nacional Rodrigo Melo Franco.

A arquiteta assumiu a presidência da fundação após a exoneração do antigo presidente, Felipe Cardoso Vale Pires, assinada quinze dias depois de o Conselho Estadual de Política Ambiental (Copam) aprovar o projeto de mineração da Tamisa.

Em março, Felipe enviou um ofício ao Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) revelando que o projeto não havia tramitado pelo Iepha. "Não passou por análise do órgão, quanto à avaliação de impacto ao patrimônio cultural, e não possui manifestação/anuência expedida por este órgão estadual de proteção", declarou no documento.


Segundo o governo de Minas, Felipe deixou o cargo a pedido, encaminhado há três meses. "A alternância na presidência do Iepha dará continuidade às boas práticas de gestão e condução transparente dos trabalhos", afirmou o gabinete por meio de nota. Segundo a mineradora, "em manifestação oficial ao órgão licenciador, o ex-presidente Felipe, confirmou que o projeto já possui análise e anuências emitidas por presidente anterior do Iepha, e que estas dispensam nova manifestação do órgão".

Por meio de nota, a Tamisa afirma que Marília e Guilherme são primos de relação distante, que não possuem qualquer proximidade pessoal, e ainda complementa: "não há vedação legal na normativa estadual em relação ao parentesco de quarto grau da nova presidente do Iepha com diretor da empresa". 

A mineradora destaca, ainda, que segue as normas legais. "As relações com os órgãos públicos são estritamente formais e baseadas em princípios éticos, independentemente de quem ocupe cargos políticos, em qualquer momento de seu procedimento administrativo", declara em nota.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade