UAI
Publicidade

Estado de Minas Combate à criminalidade

Primeiro dia da Operação Voleur faz 37 prisões e 5 apreensões em Minas

Ação, definida pelo Conselho Superior das Polícias Civis, foi realizada em todo o país e tem como foco o combate a crimes contra o patrimônio


17/11/2021 19:53 - atualizado 17/11/2021 20:40

Os delegados Álvaro Huertas e Cleiberson Rezende
Os delegados Álvaro Huertas e Cleiberson Rezende, que comandaram as operações de combate a crimes contra o patrimônio (foto: PCMG/Divulgação )

Um total de 42 presos e apreendidos, sendo 37 adultos e cinco menores. Este o resultado do primeiro dia da Operação Voleur em Minas Gerais. A operação, definida pelo Conselho Superior das Polícias Civis, foi realizada em todo o país e tem como foco o combate a crimes contra o patrimônio. 


Os números deste primeiro dia mostram que foram presas, em todo o Brasil, 2.036 pessoas, sendo 1.896 adultos e 140 menores. Foram cumpridos 2.389 mandados de prisão e 950 de busca e apreensão.


Segundo os delegados Álvaro Huertas e Cleiberson Rezende, do Departamento Estadual de Investigação de Crimes contra o Patrimônio (Depatri) da Polícia Civil, a operação contou com a participação de 9.914 policiais e 3.184 viaturas, em todo o país, sendo que em Minas Gerais foram empenhados 500 policiais civis.


A ação, que teve também a participação do Ministério da Justiça em Minas, superou a meta prevista, que era de 30 prisões por dia. “Superamos em 12 esse total de prisões”, diz o delegado Huertas.


No total, a Polícia Civil cumpriu 102 mandados de prisão, conseguindo prender e apreender 42 pessoas, o que corresponde a 41,17% do total. “Dividimos o crime contra o patrimônio em três categorias, o crime violento, que é o roubo, furtos e celular. Impressionante a quantidade de celulares apreendidos”, diz o delegado Rezende. Além de celulares, foram apreendidos revólveres e munições.


Foram apreendidos ainda 374 veículos roubados e com documentação adulterada, 284 armas, 3.755 munições e 1.484 celulares, somente em Minas Gerais, numa ação que mobilizou todo o estado.


“Priorizamos, principalmente, crimes de alto valor financeiro. Foi estipulado crimes com prejuízo acima de 100 salários mínimos”, finaliza o delegado Rezende.


A operação terá continuidade. Este é o quarto combate específico feito pelas polícias civis nacionalmente. “Primeiro foi o combate às drogas, depois a crimes contra idosos, e a crimes contra a mulher”, lembra o delegado Huertas.

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade