Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Ordem de prioridade de vacinação preocupa profissionais da Santa Casa de BH

Insuficiência de imunizantes disponível para toda a população e denúncias de "fura-filas" pelo país provocam apreensão na linha de frente de combate à COVID-19


22/01/2021 14:42 - atualizado 22/01/2021 17:04

(foto: Santa Casa/Divulgação)
(foto: Santa Casa/Divulgação)

Entre idas e vindas de instâncias de governo sobre a data em que toda a população brasileira terá à sua disposição as vacinas contra o novo cornavírus, pipocam denúncias de "privilégios" na ordem de vacinação por todo o Brasil.

Um grupo de profissionais de saúde e de higienização que atua na linha de frente ao combate à doença na Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte, procurou a reportagem do Estado de Minas para cobrar  transparência na ordem de prioridades de imunização, por parte da direção, do hospital que se destaca como referência na capital no atendimento aos casos da COVID-19.
Segundo os funcionários, que temem se identificar por "possíveis represálias", o portal da instituição anunciou que o imunizante seria aplicado primeiramente em atendentes em contato direto com os pacientes acometidos da doença e os profissionais mais velhos, em seguida, o que não estaria acontecendo na unidade. 

Eles alegam que ainda não foram contemplados e nem tiveram acesso a possíveis datas. Seriam médicos residentes, atendentes da área de pediatria destinada ao atendimento ao novo coronavírus, profissionais de limpeza e até mesmo fisioterapeutas que acompanham os internados entubados. Por outro lado, alegam que cargos de chefia e médicos já aposentados "já foram imunizados". 
 
Por meio de nota encaminhada à reportagem pela Assessoria, o presidente do Sindicato dos Médicos de Minas Gerais, Fernando Mendonça, disse que a entidade se coloca à disposiçao "de qualquer profissional de saúde, e mesmo da população para qualquer denúncia em contrário as diretrizes do próprio Ministério da Saúde, que garante neste primeiro momento a prioridade dos profissionais de saúde."

O diretor confirma que a entidade vem recebendo denúncias de todo o estado e que já levou aos secretários de estado e dos municípios essa preocupação.
 
“O sindicato entende a importância da vacinação e acredita que ela deva ser distribuída a toda população, entretanto neste momento entendemos como sendo prioritário de fato aos profissionais de saúde, especialmente os médicos, considerando a necessidade de se garantir a assistência aos serviços de saúde abertos para toda a população. Para isso é fundamental que os profissionais de saúde não adoeçam."
 
Também em nota, a  Santa Casa informou que a imunização de seus profissionais segue estritamente as recomendações do Ministério da Saúde e da PBH, para a primeira etapa da vacinação.
 
De acordo com a nota "a orientação é que, primeiro sejam imunizados todos os profissionais que atuam nas áreas de alto risco - CTIs e Enfermarias do Hospital respiratório (setores dedicados ao tratamento de casos suspeitos ou confirmados do novo coranavírus) -, ou seja, além de médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem, isso inclui também trabalhadores que fazem a higienização das referentes alas; a alimentação e a nutrição dos pacientes; a administração de processos dos setores de isolamento; equipe de triagem e movimentação de pacientes, entre outros que estão em contato direto com os casos".
 
O hospital esclarece ainda que já foram vacinados  "funcionários do bloco cirúrgico e do CTI pós-operatório, e médicos com idade superior a 65 anos. Infelizmente, neste momento, as doses disponibilizadas não foram suficientes para imunizar os funcionários de todas as áreas do hospital."
 
Segundo a diretoria do hospital a Santa Casa possui 70 leitos de CTI de Isolamento Respiratório; 183 leitos de enfermaria de Isolamento Respiratório para adulto e 8 leitos para crianças. Nesta sexta-feira, a taxa de ocupação é de 93% no CTI e 82% de enfermaria. 

Conforme publicado na página de internet da instituição o Grupo Santa Casa BH recebeu, no dia 19/01 (terça-feira), 3 mil doses da vacina contra a COVID-19 e deu início à vacinação de seus funcionários. 
 
De acordo com o diretor de Assistência à Saúde da Santa Casa BH, Guilherme Gonçalves Riccio, esse é um momento histórico para a instituição e o Brasil. “Estamos trazendo esperança para nossos valorosos profissionais, que desde março de 2020 estão trabalhando incansavelmente, alguns à beira da exaustão, para atender os pacientes com COVID-19. Essa vacinação continua porque temos a confirmação da gestão municipal de que mais vacinas chegarão para imunizarmos os nossos profissionais. No entanto, essa não é a resolução definitiva. Pedimos que todos continuem mantendo o isolamento social, usando máscaras, lavando as mãos frequentemente e passando álcool em gel. Isso é fundamental para sairmos vitoriosos dessa batalha”. 

Na contabilização total até o início da tarde desta sexta-feira (22/1), a Santa Casa já somava 1.940 profissionais vacinados.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade