Publicidade

Estado de Minas MANIFESTAÇÃO

'Assassinos' e 'racistas': após gritos de protesto, unidade do Carrefour fecha as portas em BH

Protesto em frente a uma loja da rede de compras, instalada no Centro da capital, fez estabelecimento cerrar as portas


20/11/2020 15:22 - atualizado 20/11/2020 17:52

Ato desta sexta-feira fez supermercado fechar as portas.(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Ato desta sexta-feira fez supermercado fechar as portas. (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Um grupo de manifestantes se reuniu na porta da unidade do Carrefour no Centro de Belo Horizonte, a partir das 15h desta sexta-feira (20). Após gritos de "assassinos" e "racistas", a unidade fechou as portas e os clientes tiveram que sair por uma pequena fresta.

O ato público na capital mineira foi organizado pelos mandatos da deputada Andréia de Jesus, vereadora Iza Lourença (eleita neste mês) e pelo Núcleo Rosa Egipcíaca (Negras, Negros, Indígenas), do Psol.



Assim como em outras cidades brasileiras, o protesto foi convocado em Belo Horizonte após o espancamento que levou à morte de um cliente negro em uma unidade do supermercado Carrefour em Porto Alegre (RS). João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi agredido e morto por um segurança e um policial militar.

Um vídeo do crime circula nas redes sociais desde a noite de quinta-feira, véspera do Dia da Consciência Negra

"Parem de nos matar", ecoou Iza Lourença, vereadora eleita neste ano ano. "Eu queria muito que o dia da Consciência Negra fosse marcado por felicidade. Infelizmente estamos falando de dor e morte. Exigindo pela nossa vida", disse, emocionada.

 

Natalia Granato, do Movimento “Juventude, Vamos à Luta” relatou casos cotidianos de discriminação que a população negra sofre e ressalta a importância da celebração do dia da consciência negra para evidenciar a necessidade de se discutir o racismo na sociedade brasileira. Granato espera que a população branca indignada apoie e participe dos atos antirracismo. 

 

“Aqui em BH, se a gente se senta na Praça Sete pra esperar alguém, a Polícia chega, bate e discrimina o tempo inteiro. O que aconteceu ontem (quinta-feira, 19) em Porto Alegre mostra porque a gente precisa do dia 20 de novembro. A gente está cansado e a gente precisa que, inclusive a mídia, trate a pauta negra para além do dia 20 de novembro”, declarou.

 

Ver galeria . 27 Fotos Gladyston Rodrigues/EM/D.A PRESS
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A PRESS )
  

Entenda o caso

O homem foi espancado e morto por dois homens brancos no estacionamento do Carrefour Passo D'Areia, na zona norte da capital gaúcha . Informações preliminares apontam que um dos agressores é segurança do local e o outro é um policial militar temporário que fazia compras no local. Seguem as investigações. Ambos foram detidos.

Uma manifestação em frente ao supermercado está prevista para as 18h desta sexta-feira.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade