Publicidade

Estado de Minas INCÊNDIOS

Área queimada em unidades de conservação de Minas equivale a 4,3 mil campos de futebol

Apesar dos registros, números são menores do que os de 2019


07/10/2020 20:11 - atualizado 07/10/2020 21:06

Em 2020, já são 258 ocorrências de incêndios em unidades de conservação em Minas(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
Em 2020, já são 258 ocorrências de incêndios em unidades de conservação em Minas (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
Minas Gerais chegou neste mês de setembro à marca de 4.300 hectares (ha) de área queimada no interior das unidades de conservação sob gestão do governo estadual. O espaço consumido pelo fogo equivale a, aproximadamente, 4,3 mil campos de futebol.

Em 2020, já são 258 ocorrências de incêndios dentro dessas unidades e mais 138 no entorno, o que resulta em mais 6.416ha atingidos pelo fogo também no entorno, nas chamadas zonas de amortecimento.

Redução

Apesar dos quase 400 registros, Minas mantém, neste ano, números menores de área queimada dentro de parques, monumentos naturais, estações ecológicas e outras unidades de conservação.

A razão desse resultado tem sido a redução do tempo de resposta, que tem chegado a menos de 10 minutos em 24% das ocorrências e em menos de uma hora em 61% dos casos. Como resultado, menos de 1% dos registros de incêndio atingem uma área superior a 1.000 hectares.

Esses e outros dados foram apresentados nesta quarta-feira pela secretária de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), Marília Melo, e pelo diretor-geral do Instituto Estadual de Florestas (IEF), Antônio Malard, durante coletiva de imprensa, que contou também com a participação do comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG), coronel Edgard Estevo.

Balanço

O IEF, órgão ambiental responsável pela gestão das unidades de conservação em Minas, informou, a partir de sua base de dados, que a área atingida pelos incêndios dentro das unidades representa 26% da média histórica registrada entre 2013 e 2019, considerando o mesmo período de nove meses desses anos.

Já no entorno, os 6.416 ha somam 64% da média histórica. As ocorrências de 2020, até setembro, também são inferiores à média histórica: são 400 neste ano, contra 548 do período de 2013 a 2019 (também de janeiro a setembro).

Dados do Corpo de Bombeiros, que reúnem ocorrências gerais de incêndios, mostram diminuição também nos atendimentos a incêndios em parques municipais, estaduais e federais de Minas, que caíram 34% em relação ao ano passado.

As áreas de reflorestamento existentes no estado registraram também queda de 32% nas ocorrências notificadas pela corporação.

No total, de acordo com a corporação, foram registradas 17.880 ocorrências gerais de incêndio em todo o estado, entre janeiro e setembro de 2020.

“Entendemos que, a continuar neste ritmo, devemos superar a máxima histórica de 18.657 ocorrências registrada em 2019”, disse o coronel.

Esse aumento das ocorrências observado em 2020 se deve, principalmente, aos incêndios em áreas de produção agropecuária, que registraram uma ampliação de 103% e também nas áreas rurais não protegidas, como regiões de entorno de estradas rurais, com 106% de aumento das ocorrências.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade