Publicidade

Estado de Minas GRANDE BH

Trio que aplicava golpes em sites de compra e venda é preso; prejuízo é de mais de R$ 200 mil

Golpes eram aplicados por meio de sites como OLX e Facebook; Polícia estima que trio fazia vítimas diariamente desde janeiro


02/09/2020 12:09 - atualizado 02/09/2020 16:41

Materiais apreendidos pela Polícia Civil com os golpistas(foto: Divulgação/PCMG)
Materiais apreendidos pela Polícia Civil com os golpistas (foto: Divulgação/PCMG)
A Polícia Civil prendeu em Santa Luzia, na Grande BH, três suspeitos de aplicar o golpe do "falso pagamento" em mais de 100 pessoas por meio de sites de compra e venda na Internet. Segundo a corporação, o trio atuava diariamente desde janeiro deste ano. O prejuízo total estimado é de mais de R$ 200 mil.

Segundo as investigações, a dinâmica do golpe é simples, mas efetiva. Os criminosos procuram potenciais vítimas pelos sites de compra e venda, como OLX e Facebook Market, buscando por negociações verdadeiras. Se passando por outras pessoas - em geral, por policiais -, abordam o vendedor, se dizendo interessados pelo produto.

Iniciadas as negociações, geralmente não questionam o preço e começam a organizar a logística para entrega do produto. Marcam um dia para pegar, mas desmarcam em cima da hora, normalmente criando alguma história trágica ou urgente como desculpa.

Em seguida, afirmam que, mesmo desmarcando, ainda têm muito interesse no produto e remarcam a entrega para um outro horário, bem em cima da hora da conversa. Encaminham um comprovante de TED falso, encontram o vendedor rapidamente e fogem com o produto.

"As vítimas geralmente eram adolescentes ou idosos, que não têm muita familiaridade com transferências bancárias pela Internet. Falam que precisam pegar na hora, que estão com urgência, e que, como é um TED, o dinheiro só vai cair no dia seguinte, mas nunca cai", esclarece o delegado Gustavo Barletta.

Com o produto em mãos, os criminosos solicitavam um carro de aplicativo e fugiam, para encontrar os comparsas. "Os locais dos encontros eram ermos, sem câmeras de segurança. Recebiam e ficavam no meio da rua, para não levantar suspeitas", completa o delegado.

Os produtos eram rapidamente revendidos, com o intuito de ficar o menor tempo possível na mão dos criminosos e evitar flagrantes. "Durante as investigações até orientamos algumas vítimas a procurar os seus próprios pertences nessas plataformas de vendas, porque eles revendiam por lá", conta Barletta.

Foram apreendidos diversos produtos eletrônicos, como notebooks, celulares, video games, mas também produtos como faqueiros, jogos de panelas e até uma máquina de sorvete. A Polícia também apreendeu mais de R$ 3 mil em espécie, provindo dos crimes. 

O último golpe foi aplicado na quinta-feira passada (27), quando levaram um aparelho celular. Na ocasião, a Polícia Civil, já com conhecimento do fato, se deslocou até Santa Luzia e iniciou a vigilância. Dois deles foram presos em flagrante na tarde do mesmo dia, recebendo o material roubado.

Os dois homens detidos informaram que havia mais uma pessoa envolvida, que seria o líder do esquema. A Polícia prendeu esse terceiro em um barracão, onde guardavam os produtos roubados para serem revendidos, chamados pelos criminosos de "chão". Eles usavam um outro imóvel para o mesmo fim no Bairro Tupi, em Belo Horizonte.

Um deles já tinha passagem por crime da mesma natureza. O líder do esquema, além de experiente, também tem histórico com tráfico de drogas. O caso acende o alerta para cuidados com golpes na Internet, ainda mais comuns durante este período de pandemia.

Nota da OLX 

A OLX não teve acesso às evidências de que o caso aconteceu por meio da plataforma, mas está à disposição das autoridades para colaborar na apuração dos fatos. A empresa reforça que investe constantemente em tecnologia e serviços de orientação ao usuário, com recomendação das melhores práticas de negociação, como levantar informações sobre o comprador, manter a negociação dentro do chat da plataforma. Caso o usuário perceba que nossas políticas estão sendo infringidas, a OLX também conta com um recurso de denúncia para investigar anúncios irregulares e removê-los. 

Dicas de negociação:

- Evite deixar pública a visualização de dados pessoais como números de documentos ou de telefone

- Prefira o chat da plataforma para realizar todo o processo de negociação; caso identifique algum sinal de irregularidade, relate para a OLX na opção Denunciar

- Fique atento aos falsos comprovantes de pagamento de sites terceiros

- Antes de se encontrar ou enviar o item ao comprador, busque informações que possam ajudar a identificá-lo

- Com os dados sobre o comprador, faça uma pesquisa nas mídias sociais

- Desconfie se o comprador está muito apressado, nervoso ou impaciente

- Atenção às formas de pagamento do comprador, caso não use OLX Pay

- Em casos de cheque, espere compensar antes da entrega/envio do produto

- Em casos de transferência bancária, espere o valor ser verificado em sua conta

- Em casos de depósito em caixa eletrônico, aguarde o tempo necessário para a “abertura dos envelopes”

- Em caso de pagamento em dinheiro, verifique o valor entregue juntamente com a veracidade das notas 

*Estagiário sob supervisão do subeditor Frederico Teixeira


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade