Publicidade

Estado de Minas DADOS ATUALIZADOS

COVID-19: velocidade de transmissão e ocupação das UTIs crescem em BH

Capital mineira chegou a 979 óbitos pela infecção causada pelo novo coronavírus, 11 a mais que no levantamento divulgado na sexta-feira


31/08/2020 18:05 - atualizado 31/08/2020 18:17

Casos de infecção pelo novo coronavírus chegaram a 33,6 mil(foto: STR/AFP)
Casos de infecção pelo novo coronavírus chegaram a 33,6 mil (foto: STR/AFP)

Belo Horizonte registrou alta na velocidade de transmissão da COVID-19 e na taxa de ocupação dos leitos de UTI no boletim epidemiológico e assistencial publicado nesta segunda-feira (31). Os dois indicadores são fundamentais para as tomadas de decisão da prefeitura sobre aspectos que circundam a pandemia, como a flexibilização do comércio.

 

De acordo com o documento, o uso das unidades de terapia intensiva chegou a 58,3% – 5,5 pontos percentuais a mais que no levantamento anterior, divulgado nessa sexta (28).

 

 

 

Quanto ao fator RT, cada infectado pelo novo coronavírus na cidade passa a doença, em média, para 0,98 pessoa. Na sexta, o indicador era de 0,95.

 

Ainda que haja aumento nos indicadores, o quadro geral deles continua o mesmo do balanço anterior. A taxa de ocupação dos leitos de UTI permanece no nível intermediário da escala de risco (amarelo), enquanto a velocidade de transmissão se mantém no quadro ideal (verde).

 

Outro parâmetro fundamental é a taxa de ocupação dos leitos de enfermaria. Esse indicador sofreu queda em seus números nesta segunda e se manteve no quadro verde: 46,9% contra 47,5% de sexta-feira.

 

Casos e mortes  

 

A capital mineira chegou a 33.657 casos confirmados nesta segunda: 979 mortes, 2.825 em acompanhamento e 29.853 recuperados. Houve crescimento de 11 óbitos e 565 diagnósticos a mais que sexta-feira.

 

No levantamento por regionais, a Oeste passou a ser aquela com o maior número de mortes: 126, duas a mais que Venda Nova. Na sequência, aparecem Nordeste (121), Noroeste (118), Barreiro (112), Leste (101), Centro-Sul (96), Norte (94) e Pampulha (87).

 

Entre as pessoas que morreram vítimas da COVID-19 em Belo Horizonte, 542 são homens e 437 mulheres. A maioria dos óbitos, 82,1% (804), é formada por idosos. Outros 15,6% (153) tinham entre 40 e 59 anos; e 2,2% (22) entre 20 e 39 anos.

 

Quanto à cor, 49,9% das pessoas diagnosticadas com casos graves eram pardas, 26,1% brancas, 9,2% pretas e 0,8% amarelas. De acordo com a PBH, 14% não tem cor especificada ainda.

 

Além disso, 97,5% dos óbitos são de pessoas com fator de risco, segundo a prefeitura. Apenas 27 mortes sem comorbidades: 23 homens e quatro mulheres.

 

A idade, cardiopatia, diabetes, pneumopatia, obesidade, nefropatia e doenças neurológicas são as comorbidades mais comuns.

 

Profissionais de saúde

 

O número de profissionais de saúde com testes positivos para a COVID-19 chegou a 1.099 nesta segunda-feira. Outros 191 diagnósticos ainda estão em investigação.

 

As categorias profissionais mais atingidas até o momento são os técnicos de enfermagem, os agentes comunitários de saúde, os enfermeiros e os médicos.

 

A prefeitura não informa quantos servidores da área morreram pela doença. Os casos que chegaram à imprensa foram informados pelo Conselho Municipal de Saúde: oito óbitos, todos técnicos de enfermagem.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade