Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Aquecimento para a malhação

Academias do interior de Minas preparam abertura. Governo avisa que pode voltar atrás se normas forem descumpridas. BH mantém proibição


22/08/2020 04:00 - atualizado 22/08/2020 00:38

Proprietário de academia em Uberlândia, Lucas Kabal contou que não teria como manter o negócio por mais 30 dias e respira aliviado com a reabertura (foto: Vinícius Lemos/Esp. para o EM)
Proprietário de academia em Uberlândia, Lucas Kabal contou que não teria como manter o negócio por mais 30 dias e respira aliviado com a reabertura (foto: Vinícius Lemos/Esp. para o EM)
Donos de academias de ginástica de municípios incluídos na Onda Amarela do programa Minas Consciente estão animados para a  reabertura dos espaços,  com novos protocolos. Desde o início da pandemia do novo coronavírus, em março, a frequência diminuiu e, em muitas cidades, estabelecimentos fecharam as portas durante todo o período ou em parte dele . Empresários pressionaram o governo do estado, que esta semana divulgou um protocolo específico para que unidades em municípios classificados dentro dessa onda – reservada para a flexibização de atividades consideradas de risco moderado – possam abrir as portas. A decisão final, entretanto, cabe aos prefeitos e o próprio governo alerta que poderá voltar atrás se os protocolos não forem cumpridos. A Prefeitura de Belo Horizonte, que não é adepta do programa, avisa que só vai permitir a reabertura na fase 2 de seu planejamento para flexibilização das atividades e com protocolos próprios.

“Quando colocamos a possibilidade de uma academia funcionar, mesmo com protocolo mais restrito, estamos dizendo que podemos dar um um pequeno passo, mas se não tivermos a conscientização por parte das pessoas teremos de retroceder. Pior que não avançar é ter de fechar novamente atividades econômicas. Então, quem for sair que tome cuidados, use máscara, higienize as mãos, mantenha o distanciamento”, afirmou o chefe de gabinete da Secretaria de Estado da Saúde, João Pinho. A previsão inicial era de que estabelecimentos como academias e clubes só fossem liberadas na Onda Verde do Minas Consciente, a mais avançada em termos de funcionamento de estabelecimentos prevista no programa, incluindo aqueles considerados de alto risco para a transmissão da COVID-19. A mudança foi anunciada na terça-feira.

São quase 527 cidades no estado incluídas no Minas Consciente, das quais 417 na Onda Amarela de reabertura. Enquanto localidades das regiões do Triângulo Mineiro, Norte, Oeste, Centro-Sul, Sul, Sudeste e Leste se preparam para receber de volta os alunos a partir de hoje, a prefeitura de Belo Horizonte informa que manterá esses estabelecimentos fechados, por ora, e definirá protocolos específicos quando forem liberados.

A capital não aderiu ao programa do governo do estado. De acordo com o prefeito Alexandre Kalil (PSD), a cidade tende a liberar o funcionamento do setor apenas na fase 2 dentro do programa do Comitê de Enfrentamento do Coronavírus na capital, ainda sem uma data prevista. Apesar da pressão do setor, Kalil disse que haverá maior cuidado em BH, já que é uma atividade de grande risco de contágio do coronavírus: “As academias serão abertas provavelmente na segunda fase. BH tem autonomia e protocolos diferentes. Somos a capital com menos infectados do Brasil, com mais de 1 milhão de habitantes. E vamos seguir nossa regra”.  São 7 mil academias em Minas Gerais e a capital agrupa 800 delas.

NORMAS


Para as academias de ginástica, é obrigatório o cumprimento de determinações como maior limitação por metragem de 10m², distância mínima entre os frequentadores e horários agendados para evitar lotação superior à considerada segura, fechamento para limpeza a cada duas horas, mão de obra profissional para limpeza dos equipamentos e rigidez nessa higienização, para assegurar quanto à transmissão do vírus por superfícies, medição de temperatura, distância de três metros a cada aparelho, além de uso de máscaras e disponibilização de álcool em gel.
 

UBERLÂNDIA E UBERABA

 
No Triângulo Mineiro, a reabertura das academias significou um suspiro para os negócios. Entre empresários que tiveram que demitir funcionários e outros que conseguiram manter os quadros, o mês de agosto poderia ser o último antes do fechamento. Frequentadores também comemoraram.

Em Uberlândia, as academias tiveram que baixar as portas na segunda quinzena de março. Houve várias carreatas pedindo a reabertura dos empreendimentos. Nesses cinco meses sem funcionar, o empresário Renato Bezerra participou dessas manifestações e teve que demitir 21 dos 24 funcionários que tinha, ao mesmo tempo em que teve todos os 900 contratos com alunos cancelados nas quatro unidades de sua academia. Como não trabalha com contratos prolongados, apenas mensais, com as portas fechadas não poderia receber alunos nem mensalidades.

A volta, porém, não será fácil, segundo Bezerra. “Algumas exigências acabam sendo quase inviáveis. Com meu espaço, por exemplo, precisaria de pelo menos cinco funcionários para higienização dos aparelhos o tempo todo, enquanto a academia estiver aberta. Nesse caso vou pedir a colaboração dos alunos para ajudarem na higienização, cada um vai receber borrifadores com os produtos necessários para que ele limpe o aparelho antes e depois do uso”, afirmou.

Também proprietário de academia em Uberlândia, Lucas Kabal contou que não teria como manter o negócio por mais 30 dias. Ele não demitiu nenhum dos 50 funcionários apenas porque conseguiu manter quase 10% de seus clientes que tinham contratos prolongados, oferencendo descontos.
 
O empresário Karel Avelar Gomes, de Uberaba, explicou que só conseguiu manter sua empresa aberta por ter rendimentos em outros trabalhos e porque os funcionários eram prestadores de serviço. “Mantive uma ajuda de custo nesses cinco meses aos funcionários, porque tive a sorte de o dono do imóvel que alugo suspender a cobrança mensal, o que eu vou poder negociar agora”, disse. A retomada poderá ocorrer hoje, a depender de um decreto da Prefeitura de Uberaba.
 

O exercício da adaptação

Dia de trabalho na Moove Fitness na preparação do espaço para receber os alunos, com (foto: Bruna Quevedo/Divulgação)
Dia de trabalho na Moove Fitness na preparação do espaço para receber os alunos, com (foto: Bruna Quevedo/Divulgação)

Governador Valadares – As academias de ginástica e musculação de Governador Valadares já estão com tudo pronto para receber os clientes. Desde o primeiro dia do mês, quando a cidade começou a seguir as normas do programa Minas Consciente, as academias estão fechadas. Até então, funcionavam seguindo um protocolo elaborado pelo comitê municipal de controle da pandemia do novo coronavírus.

Daniel Pereira de Souza, presidente da Associação dos Profissionais de Educação Física do Vale do Rio Doce (Apef), disse que Governador Valadares tem cerca de 80 academias de ginástica e que todas estão preparadas para a reabertura, porque já seguiam normas rígidas de funcionamento. “Vamos conseguir o nosso objetivo, de atender os nossos alunos e promover saúde”, diz.

Na Academia Moove Fitness, a manhã de ontem foi de muito trabalho, com todos os professores e instrutores fazendo as adequações necessárias. Bruna de Quevedo de Aquino, gerente dessa academia, colocou a sua equipe para trabalhar. “Já estávamos acostumados a fazer a limpeza do ambiente a cada fim de treino, além de adotar grande parte das medidas que estão sendo solicitadas no protocolo atual”, comenta Bruna.

O professor de educação física Walber Costa descarta o risco de as academias permitirem superlotação, como ocorreu com bares e restaurantes da cidade no primeiro fim de semana de abertura do comércio. “Os profissionais de educação física são da área da saúde e não vão permitir mau comportamento de frequentadores ou equipe) nem em seus espaços nem em outros”, diz (Tim Filho - Especial para o EM)


Alunos também têm que mudar


Divinópolis – Não são apenas os donos das academias de ginática a se adaptar à nova realidade. Para não abandonar a prática da atividade física, os alunos também têm que fazer mudanças. “Na academia, evito usar o banheiro, conversar com as pessoas, higienizo o aparelho que vou usar, assim que termino o treino e procuro não permanecer no ambiente, lavo as mãos, uso o álcool em gel e vou para casa”, conta Edelba Glória Souza, de Divinópolis, que também trabalha como supervisora em um clube esportivo e social e classificou a reabertura como “bom senso”.

No caso de Divinópolis, na Região Centro-Oeste de Minas, onde Edelba malha, a adesão ao programa Minas Consciente havia obrigado as academias, abertas por cerca de 60 dias no período da pandemia, a recuar. Foi aproximadamente uma semana sem abrir, até o município encontrar uma brecha para permitir a flexibilização com o cumprimento das normas sanitárias.

A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) publicou uma portaria, no dia 14, uma semana após a adesão, concedendo prazo de 30 dias para que aquelas que tivessem entre as atividades o “ensino de esportes” regularizassem o CNAE. Até o fim do prazo, era esperada a conclusão dos 28 dias para avanço do município da Onda Amarela para a Verde, na qual o segmento poderia funcionar, de acordo com as normas do estado que estavam em vigor até a última terça-feira.

Não demorou uma semana até o governo do estado reavaliar e permitir a retomada do setor dentro da Onda Amarela. Os protocolos definidos pelo município desde o primeiro dia da reabertura das academias na cidade facilitaram para que os empresários se adaptassem às exigências do Minas Consciente.

Em um estabelecimento, foi necessário desativar alguns aparelhos para assegurar o distanciamento mínimo exigido entre os alunos. “Aumentamos o número de borrifadores com álcool, assim como dispenser de papel toalha. Tapete higienizador de calçados na entrada, além do termômetro digital”, conta o proprietário Marco Túlio Narciso. Ele contesta alguns pontos do novo protocolo. “Acredito que o limite de alunos é muito reduzido, tem academias na cidade que possuem 2 mil m² de área disponível e podem atender apenas 12 clientes”, comenta.

Apesar de os estabelecimentos serem apontados como local de alto risco de contaminação de COVID-19, alunos de academias se mostram otimistas com a volta desde que todas as medidas de segurança sejam respeitadas. “Acredito que é possível frequentar com segurança, desde que não haja aglomeração e que nós mesmos possamos ajudar na fiscalização da higiene, inclusive usando máscaras nas atividades”, afirma o auxiliar administrativo Milton Freitas, de Uberaba.

O servidor público Diogo Leal teve COVID-19 durante a pandemia e como é praticante de musculação há quase 10 anos percebeu piora na saúde pela falta do exercício. “Qualquer dia de treino que falha a gente fica incomodado e durante esse período fechado não foi muito salutar. Fiquei afastado por 14 dias de convívio social. Com a reabertura das academias, volto gradativamente e acredito que todas as medidas preventivas serão primordiais. O exercício físico também é importante”, diz. (Portal Gerais* Com VL)

*Amanda Quintiliano/ Especial para o EM







receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade