Publicidade

Estado de Minas

'A intenção é não parar', diz diretor do Sindicato da Indústria da Construção Civil

Sinduscon-MG e STIC BH-Marreta firmaram termo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho adotando medidas para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus


postado em 26/03/2020 12:14 / atualizado em 26/03/2020 12:37

(foto: Skeeze/Pixabay)
(foto: Skeeze/Pixabay)
O Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG) e o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção de BH e Região (STIC BH-Marreta) divulgaram na manhã desta quinta-feira (26), uma nota em que informam sobre as possíveis medidas que podem ser adotadas pela categoria para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus.

As orientações foram firmadas em um termo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho - CCT 2019/2020. O diretor do Sinduscon-MG, Geraldo Jardim Linhares Júnior, defende a continuidade das obras. “A intenção nossa é não parar, cuidar bem dos nossos trabalhadores, tomando todos os cuidados e mantendo a construção ativa,” afirma.

Entre as principais medidas sugeridas está a flexibilização da jornada de trabalho, em que a empresa poderá escalar equipes em diferentes jornadas para diminuir o fluxo de pessoas na obra, mas mantendo as horas trabalhadas. A  antecipação de férias individuais ou coletivas e a redução de jornada com a diminuição de até 50% do salário são outras medidas consideradas importantes.

O sindicato também faz recomendações quanto às condições de higiene nas empresas e nos canteiros de obras, como manter a disponibilização de álcool gel para higienização de leitores de biometria, catracas, equipamentos de segurança e ferramentas, bem como demais itens de uso comum nas obras e empresas. Além disso, recomenda o uso de termômetros nas portarias e instalação de lavatórios na entrada das obras para facilitar a higienização dos colaboradores antes e após a jornada de trabalho. 


Publicidade