Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Governo anuncia a suspensão das cirurgias eletivas em Minas

Palácio do Planalto vai auxiliar o estado no combate à pandemia com R$ 40 milhões


postado em 18/03/2020 18:07 / atualizado em 18/03/2020 18:59

Em coletiva, Zema anunciou medidas no combate à pandemia de coronavírus(foto: Edésio Ferreira/EM/D. A Press)
Em coletiva, Zema anunciou medidas no combate à pandemia de coronavírus (foto: Edésio Ferreira/EM/D. A Press)

Todas as cirurgias eletivas em Minas Gerais estão adiadas. O objetivo da medida, anunciada nesta quarta-feira pelo governador Romeu Zema (Novo), em entrevista coletiva, é abrir espaço no sistema público de saúde para o tratamento dos casos suspeitos e confirmados de coronavírus.

“Quem está agendado para operar na semana que vem pode, muitas vezes, esperar para ser operado em uma data posterior. Queremos que as UTIs, neste momento complicado, fiquem disponíveis para atender os pacientes com coronavírus”, explicou o chefe do Executivo.

De acordo com o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, o governo federal vai auxiliar Minas Gerais com R$ 40 milhões e também com o repasse de 50 leitos de terapia intensiva que serão instalados nas casas de saúde da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig).

Casos graves e idosos

Amaral fez um apelo à população e pediu que os cidadãos com sintomas leves da doença não procurem os hospitais. A prioridade, segundo ele, são os casos graves. Assim, será possível minimizar prejuízos aos grupos de risco, sobretudo aos idosos.

“Nos preocupamos mais com os casos graves, que serão encaminhados aos hospitais referência. Nossa prioridade são os idosos. Não queremos que eles tenham complicações de saúde por conta da COVID-19”, comentou o responsável pela saúde pública no estado.

Cooperação

Zema aproveitou para pedir à população que, dentro do possível, permaneça em casa. “Devemos evitar todo tipo de aglomeração. Não adianta o estado suspender viagens, fechar comércio, escolas e fronteiras, se as pessoas continuarem agindo de forma errada. Se o estado adotar medidas, mas as pessoas não contribuírem, não seremos bem-sucedidos”, ressaltou.

O governador classificou as medidas de prevenção como “efeitos colaterais necessários”. “Se deixarmos a contaminação acontecer em velocidade acelerada, o sistema de saúde não vai conseguir atender todos os pacientes”.

Balanço

Até esta quarta-feira, Minas Gerais registrou 810 casos suspeitos da COVID-19. A Fundação Ezequiel Dias (Funed) já liberou os resultados de 400 deles — com 19 resultados positivos para a doença respiratória. De acordo com Carlos Eduardo Amaral, antes do descarte dos testes negativos eles são encaminhados à equipe de epidemiologia da Funed para uma última análise.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade