Publicidade

Estado de Minas MEIO AMBIENTE

Agrofloresta em pleno centro urbano nasce com mutirão da comunidade no Estoril

Com a ação, estação de reciclagem de entulhos desativada em 2012 no Bairro Estoril, próxima ao Buritis, começa a ser transformada em área de conscientização ambiental e laboratório ecológico


postado em 08/12/2019 06:00 / atualizado em 08/12/2019 07:45

 
Moradores plantaram mudas para futuro laboratório ecológico(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Moradores plantaram mudas para futuro laboratório ecológico (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
De uma estação de reciclagem de entulho desativada desde 2012, começa a tomar corpo a formação de uma agrofloresta, que servirá de estímulo para a conscientização ambiental e de laboratório ecológico. A mata de frutas e árvores de cerrado, mata atlântica e amazônicas, cresce em plena área urbana de Belo Horizonte, numa das regiões que mais se expandem da capital mineira, o Bairro Estoril, próximo ao Buritis, na Região Oeste. Na manhã de ontem, a comunidade apoiada pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), realizou um plantio de mudas de espécies frutíferas e arbóreas durante evento chamado de Mutirão de Plantio de Agrofloresta. A atividade ocorreu nesse espaço de cerca de 25 mil metros quadrados que abrigará, a partir de 2020, o Centro Municipal de Agroecologia e Educação Ambiental para Resíduos Orgânicos (Cemar), na Rua Nilo Antônio Gazire, 147.

Com enxadas, pás e cavadeiras, covas foram abertas por pessoas dos bairros vizinhos para receber as árvores plantadas para compor a agrofloresta da Região Oeste de BH. Foram plantados ipê, acerola, laranja-lima, laranja-seleta, limão-taiti, limão-cravo, mexericas poncã e rio, goiaba vermelha, jabuticaba, banana, biribá, atemoia, figo, manga, abacate e caju. A atividade faz parte de uma das várias oficinas educativas e ambientais que estão sendo realizadas no local com os moradores. O empreendimento é uma parceria da SLU, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e da Secretaria de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, por meio da Subsecretaria de Segurança Alimentar e Nutricional. Com a iniciativa, a comunidade pode ocupar a área onde funcionava a estação de reciclagem de entulho da SLU e a reincorporar.

A recuperação do terreno foi iniciada em 2018 pela PBH, com o objetivo de transformar o local em um novo espaço de convivência para a comunidade. Desde então, está sendo implantando um centro de promoção à agroecologia, agricultura urbana e educação ambiental para limpeza urbana. Antes de abrigar o projeto de sustentabilidade, a área onde funcionava a estação sofria com grande degradação ambiental e social. As erosões se espalhavam pelo terreno e o espaço baldio servia de refúgio para marginais e usuários de entorpecentes, o que trazia insegurança e incomodava os moradores da vizinhança.

A previsão é que o Cemar seja inaugurado em 2020. A recuperação do terreno já foi feita pela prefeitura, com a contenção da erosão e a limpeza das canaletas de drenagem. A pista de caminhada também já está pronta. Depois de inaugurado, o local terá estufa, viveiro de mudas e plantas medicinais, horta comunitária, pista de caminhada e sistemas de agroflorestas. Além disso, serão produzidos alimentos, sementes e insumos que poderão ser usados em outras hortas da cidade.

Toda a produção e as oficinas educativas terão como premissa o ciclo do resíduo orgânico, desde o plantio do alimento até a destinação do lixo gerado. Estão previstos o ensino de compostagem para que os restos dos alimentos sejam transformados em composto orgânico, que pode ser usado como adubo. A ideia é que qualquer pessoa pode produzir esse material no próprio domicílio, em pequenos espaços.

Oficinas sobre hortas suspensas, hortas verticais e plantio de mudas em pequenos espaços são outros exemplos de atividades que serão ofertadas. Outra atração será o jardim sensorial, formado por plantas com características que despertam outros sentidos além do paladar, como o tato e o olfato. O jardim tem uma proposta inclusiva, com os canteiros mais altos, para facilitar o acesso aos cadeirantes. O centro abrigará também um projeto educativo, focado nas boas práticas relacionadas à alimentação e aos resíduos orgânicos.Mat


Publicidade