Publicidade

Estado de Minas

Vale se mobiliza para evitar risco de desabastecimento de água na Grande BH

Serão aplicados R$ 450 milhões que contemplam ações preventivas no ponto de captação de água da Copasa no Rio das Velhas


postado em 29/10/2019 12:45 / atualizado em 29/10/2019 12:58

Rio Paraopeba foi atingido pela lama de rejeitos que vazaram da barragem em Brumadinho(foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
Rio Paraopeba foi atingido pela lama de rejeitos que vazaram da barragem em Brumadinho (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
Começaram as obras do novo sistema de captação de água do Rio Paraopeba. A nova estrutura substitui a captação arrasada pela tragédia de 25 de janeiro em Brumadinho, na Região Metropolitana. O sistema foi uma solução firmada em Termo de Compromisso (TC), assinado em julho entre a Vale e o Ministério Público Estadual. A Vale aplicará cerca de R$ 450 milhões no novo sistema de captação. O prazo limite para conclusão dessa obra é até setembro de 2020.

O novo ponto de captação de água será construído a aproximadamente 12 km da atual estrutura de captação interrompida da Copasa. A adutora ligará o novo ponto de captação ao sistema já existente da concessionária. A estrutura terá a mesma vazão  da captação atualmente suspensa: 5 mil litros por segundo. 


O novo sistema contará com bombas para captação da água no Rio Paraopeba e transferência por meio de tubulação até uma caixa de areia. Após essa etapa, a água é transferida para um reservatório, passando por cinco bombas e por um tanque de transferência. O restante do trajeto é feito por meio de uma tubulação subterrânea até o ponto de interligação com o sistema existente.

As primeiras atividades estão sendo executadas na área de captação, que fica localizada próximo à comunidade de Ponte das Almorreimas, na zona rural de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Termo de Compromisso


Foram assinados dois Aditivos ao Termo de Compromisso. O primeiro, firmado em setembro, inclui a Cemig e prevê a instalação da linha de transmissão necessária à energização do novo sistema de captação do Rio Paraopeba. A linha de transmissão, após concluída, será repassada e operada pela própria Cemig. Uma nova subestação de energia elétrica também será instalada.

O segundo Aditivo, assinado entre as partes em outubro, acorda a execução de medidas adicionais de caráter emergencial e mitigatório para garantir o abastecimento de água da Grande BH até a conclusão da obra do novo sistema de captação do Rio Paraopeba.

Entre essas ações estão a reativação de poços profundos no Vetor Norte de Belo Horizonte e a implantação de aproximadamente 50 poços para 40 clientes essenciais, como hospitais e escolas.

Por meio de nota, a Vale ainda informou que "respeita todas as comunidades impactadas e reitera a importância do novo sistema de captação no rio Paraopeba para o abastecimento da grande BH." As equipes de campo da Vale devem permanecer em contato com os moradores de Ponte de Almorreimas para esclarecimento de dúvidas ao longo de toda a obra. A empresa também realizará reuniões periódicas com a comunidade.

Histórico

No dia da tragédia, a Copasa suspendeu a captação de água no Rio Paraopeba. Desde então, a Grande BH vem sendo abastecida por outras três represas do Sistema Paraopeba: Rio Manso, Serra Azul e Vargem das Flores – em condições normais, o sistema capta 11 mil litros de água por segundo.

O fornecimento em BH também se mantém pela captação do Rio das Velhas, que é responsável por 49% da Região Metropolitana e 70% da capital mineira.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade