Publicidade

Estado de Minas

''Ficamos presos no hotel sem poder sair'', diz mineiro que está no Chile

Os violentos protestos registrados em Santiago, no Chille, já resultaram em três mortes e rastro de destruição


postado em 20/10/2019 14:03 / atualizado em 20/10/2019 14:22

Militares patrulham ruas de Santiago neste domingo (foto: Rogério Vilela Gonzaga/Divulgação)
Militares patrulham ruas de Santiago neste domingo (foto: Rogério Vilela Gonzaga/Divulgação)
"Está tudo fechado. Vi muita quebradeira e saques. É como se fosse um arrastão", relata o empresário mineiro Rogério Vilela Gonzaga, que está em Santiago, capital do Chile, sacudida por violentos protestos contra o governo desde a última sexta-feira. 

Rogério Vilela mostra os moradores limpando as ruas de Santiago após rastro de destruição(foto: Rogério Vilela Gonzaga/Divulgação)
Rogério Vilela mostra os moradores limpando as ruas de Santiago após rastro de destruição (foto: Rogério Vilela Gonzaga/Divulgação)
Rogério chegou à cidade na quarta-feira. É a primeira vez dele e da mulher Mônica de Castro Monteiro no Chile. A ideia era fazer turismo no país, mas a programação acabou prejudicada por causa dos protestos. "Não sabíamos da situação. Na sexta-feira, fomos fazer uma visita à Cordilheira dos Andes e no retorno já não conseguíamos chegar até o hotel. A van teve que parar em torno de dois, três quilômetros antes e tivemos que caminhar. As ruas estavam fechadas e ali já começava toda a manifestação", detalhou. 
Rogério disse que o pior dia foi no sábado, data em que o governo decretou toque de recolher. "Ficamos presos no hotel sem poder sair", conta. "Muitas lojas estão quebradas, arrombadas. Vi pessoas nas ruas carregando televisão, máquinas de lavar e até geladeira", emendou.

Ônibus foram queimados durante os protestos (foto: Rogério Vilela Gonzaga/Divulgação)
Ônibus foram queimados durante os protestos (foto: Rogério Vilela Gonzaga/Divulgação)
Na tarde deste domingo, segundo Rogério, estavam programadas novas manifestações. "Eles saem quebrando tudo e causando muito tumulto. Ao primeiro sinal de movimentação, é pra gente recolher porque eles podem assaltar. É como se fosse um arrastão", resume. 

Mortes e caos


Neste domingo, o Chile estava paralisado, com praticamente todo o comércio fechado, voos suspensos e cancelados no aeroporto e quase nenhum público, após os protestos mais graves no país desde o retorno da democracia em 1990, que deixaram três mortos.

Semáforo no chão: o centro de Santiago virou um cenário de destruição(foto: Rogério Vilela Gonzaga/Divulgação)
Semáforo no chão: o centro de Santiago virou um cenário de destruição (foto: Rogério Vilela Gonzaga/Divulgação)
O centro de Santiago virou um cenário de destruição: semáforos no chão, ônibus queimados, lojas saqueadas e milhares de destroços nas ruas após os protestos iniciados na sexta-feira com o aumento do preço da passagem do metrô, uma notícia que foi o estopim para uma série de reivindicações sociais.

Apesar do toque de recolher ter sido decretado e da mobilização de quase 10.000 militares nas ruas, os distúrbios prosseguiram durante a madrugada em Santiago e outras cidades, como Valparaíso e Concepción, que também foram afetadas pela medida que restringe a movimentação.

Na capital do país, três pessoas morreram em um grande incêndio após o saque de um supermercado da rede Líder, um dos muitos alvos de ataques dos manifestantes nas últimas horas.

Os manifestantes também atacaram ônibus e estações do metrô. De acordo com o governo, 78 estações foram atingidas e algumas ficaram completamente destruídas.

O prejuízo ao metrô de Santiago supera 300 milhões de dólares e algumas estações e linhas demorarão meses para voltar a funcionar, afirmou o presidente da companhia estatal, Louis de Grange. (Com AFP)


Publicidade