Publicidade

Estado de Minas

Moradores de BH comemoram canonização de Irmã Dulce, a Santa dos pobres

No Aglomerado da Serra, Região Centro-Sul, está a única paróquia dedicada à religiosa baiana e que, a partir de hoje, passa se chamar Paróquia Santa Dulce dos Pobres


postado em 13/10/2019 09:39 / atualizado em 13/10/2019 12:07

Para rezar e confraternizar, os moradores da região fazem festa(foto: Leandro Couri/EM/D.A press)
Para rezar e confraternizar, os moradores da região fazem festa (foto: Leandro Couri/EM/D.A press)
Milhões de brasileiros acordaram bem cedo, neste domingo (13), para assistir à missa de canonização de Irmã Dulce, agora Santa Dulce dos Pobres, celebrada no Vaticano pelo papa Francisco. Em Belo Horizonte, não foi diferente, especialmente no Aglomerado da Serra (34,3 mil moradores), na Região Centro-Sul, onde está a única paróquia dedicada à religiosa baiana e que, a partir de hoje, passa se chamar Paróquia Santa Dulce dos Pobres. Para rezar e confraternizar, os moradores da região fazem festa que começa às 10h e só vai terminar à noite, com a missa celebrada às 18h, pelo bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte, dom Geovane Luís da Silva (veja a programação).
 
Criada em 2012 em homenagem ao “Anjo bom da Bahia”, como a freira ficou conhecida, a “rede de comunidades de fé” do Aglomerado da Serra, com nove templos católicos, mudou de nome a partir das 5h (horário de Brasília) e 10h (horário de Roma), no momento em que o papa Francisco presidiu a celebração eucarística e fez a proclamação. A festa na Escola Municipal Senador Levindo Coelho, na Rua Caraça, 910, Serra, na Região Centro-Sul, terá shows dos cantores católicos Érico Damada, Kennia Heloíza, Celina Borges, e barraquinhas, informa o titular da paróquia, padre João Batista Leocádio Silva, que está à frente das comemorações na Serra.
 
João Batista Leocádio Silva, padre da paróquia Santa Dulce dos Pobres (foto: Leandro Couri/EM/D.A press)
João Batista Leocádio Silva, padre da paróquia Santa Dulce dos Pobres (foto: Leandro Couri/EM/D.A press)
Por volta das 9h30, os fiéis começavam a chegar à escola municipal para o evento Doce Luz e eram recebidos pelo pároco João Batista. O sacerdote estava mais do que feliz. "É um dia de emoção. Temos, agora, uma santa brasileira que é a 'cara' da nossa região. Tenho certeza que, se a Santa Dulce dos Pobres tivesse morado em BH, certamente teria escolhido o Aglomerado da Serra para trabalhar".
 
Os devotos da santa brasileira já faziam seus pedidos. "Queremos paz, tranquilidade e saúde", diz Margarida das Graças Maia, de 64 anos, morada da Vila Fátima e participante da Comunidade São Miguel Arcanjo. Moradora do Bairro São Lucas, Giselda  de Moura Guedes fortalece a fé em Deus e se mostra muito alegre, por pertencer à única paróquia de Minas dedicada à santa natural de Salvador (BA). Para saudar os fiéis, há um gigantesco painel da santa, tendo, ao fundo, o Aglomerado da Serra. 
 
O arcebispo metropolitano de BH e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo participou, na Praça de São Pedro, no Vaticano, da cerimônia de canonização da Irmã Dulce. Antes de embarcar para a Itália, dom Walmor falou sobre a freira. “A canonização de Irmã Dulce é presente do Papa Francisco para a Igreja no Brasil. Exemplar na fé, Irmã Dulce, com incondicional confiança em Deus, buscou sempre servir. Esteve ao lado dos pobres, sempre.
 
Nos altares, será ainda mais forte a interpelação de Santa Dulce dirigida a cada um de nós: é preciso ser bom, olhar prioritariamente para os que sofrem, trabalhando para uma sociedade justa e fraterna”.
 
Dom Walmor disse que alegrar por fazer parte dessa história. “A criação da Paróquia Bem-Aventurada Dulce dos Pobres, no início da década, é fruto do trabalho missionário de muita gente: padres, religiosas e cristãos leigos que se dedicam ao Aglomerado da Serra. Uma rede de comunidades de fé bonita, solidária, fraterna, que inspira a todos nós”. E adiantou que estará junto de todos, mesmo distante. “Amanhã (domingo), dia de festa pela canonização de Santa Dulce, estou unido a cada um de vocês, em oração. Em razão do Sínodo para a Amazônia, convocado pelo papa, não posso estar com vocês. Mas, em breve, vamos nos encontrar. Peço as orações de cada um, para o papa, para os bispos que participam do Sínodo e também para o meu ministério. Rezarei sempre por vocês”.
 
DEDICAÇÃO Com a vida dedicada aos pobres, Irmã Dulce nasceu em 1914 batizada Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes. Em 1933, ingressou na Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, no Convento de Nossa Senhora do Carmo, em São Cristóvão (Sergipe). No mesmo ano, recebeu o hábito e adotou, em homenagem à mãe, o nome de Irmã Dulce. Dois anos depois, já na Bahia intensificou os trabalhos de amparo aos pobres. A freira se tornou reconhecida por trabalho dedicado aos enfermos que vivem nas ruas. Morreu aos 77 anos, em 13 de março de 1992.

PROGRAMAÇÃO

DOMINGO DE FESTA

Dia: 13 de agosto, das 10h às 19h
 
Local: Escola Municipal Senador Levindo Coelho, que fica na Rua Caraça, nº 910, no Bairro Serra, na Região Centro-sul de BH

10h – Abertura com oração e músicas
 
13h – Apresentação teatral
 
14h – Adoração ao Santíssimo Sacramento
 
15h45 – Momento de oração
 
17h30 – Apresentação teatral
 
18h – Missa com o bispo auxiliar dom Geovane Luís da Silva


Publicidade